PUBLICIDADE

STF: Ricardo Barros terá acesso a documentos da CPI da Covid

A decisão foi dada no âmbito da ação em que o líder do governo na Câmara alegava que a CPI estava 'postergando indevidamente" seu depoimento

15 jul 2021 17h04
| atualizado às 17h33
ver comentários
Publicidade

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, autorizou o deputado Ricardo Barros a acessar documentos da CPI da Covid que o mencionem diretamente, além da possibilidade de juntar formalmente aos autos do colegiado todos os documentos e declarações que entender necessários para exercício de sua defesa.

A decisão foi dada no âmbito de mandado de segurança em que o líder do governo na Câmara alegava que a CPI da Covid estava 'postergando indevidamente' seu depoimento, que havia sido adiado. O parlamentar pedia que o Supremo determinasse à CPI que marcasse data para sua oitiva no menor prazo possível. Tal solicitação foi negada por Lewandowski.

Líder do governo na Câmara, Ricardo Barros
23/02/2021
REUTERS/Ueslei Marcelino
Líder do governo na Câmara, Ricardo Barros 23/02/2021 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

Ao analisar o caso, o ministro do STF entendeu que não havia, pelo menos até o momento, pressupostos para determinar a designação de data para oitiva de Ricardo Barros. Por outro lado, Lewandowski ressaltou que a atividade da CPI tem natureza 'eminentemente investigativa' e por isso seria necessário assegurar ao deputado o acesso 'a todos os elementos já amealhados pela CPI que façam menção à sua pessoa, salvo aqueles relativos a diligências em curso ou que digam respeito exclusivamente a terceiros'.

Ricardo Barros é um dos nomes-chave na investigação da CPI da Covid sobre a compra da vacina indiana Covaxin. O deputado bolsonarista Luís Miranda (DEM-DF) relatou aos senadores que, ao denunciar possível corrupção na aquisição do imunizante ao presidente Jair Bolsonaro, ouviu do chefe do Executivo como resposta que era 'rolo de um deputado'. Depois da insistência dos senadores em saber quem era o parlamentar, Luís Miranda indicou o nome de Barros.

Estadão
Publicidade
Publicidade