PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Política

Lula diz que é preciso criar um telefone para as pessoas reclamarem do governo

"Muitas vezes, as pessoas não têm a receptividade que elas imaginavam que iam ter e não têm para quem reclamar", justificou o presidente

22 abr 2024 - 17h11
(atualizado às 18h29)
Compartilhar
Exibir comentários
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em evento no Palácio do Planalto
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em evento no Palácio do Planalto
Foto: Adriano Machado

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta segunda-feira, 22, que o governo precisa criar um telefone para que as pessoas possam "se queixar se as coisas não estão acontecendo". A declaração ocorreu no lançamento do programa Acredita, um pacote de medidas que prevê crédito e renegociação de dívidas para os pequenos negócios e microempreendedores individuais (MEIs) do País. "A gente deveria criar uma espécie de 190, 180", disse.

Para Lula, "muitas vezes, as pessoas não têm a receptividade que elas imaginavam que iam ter e não têm para quem reclamar". O presidente disse ainda que o número de telefone seria importante para que as pessoas não fiquem "xingando" e consigam "colocar para fora suas angústias".

O lançamento do programa ocorre após registro da queda de popularidade do governo e às vésperas das eleições municipais como uma estratégia do Planalto. A iniciativa busca estimular o acesso ao microcrédito das pessoas que compõem as camadas mais pobres do País, focando nos inscritos do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico).

A meta é que até 2026 sejam realizadas 1,25 milhão de transações, sendo que cada operação é avaliada em torno de R$ 6 mil. Assim, de acordo com as projeções do Ministério da Fazenda, mais de R$ 7,5 bilhões será injetado na economia até o último ano do mandato de Lula.

Outra medida do governo, apontada pelo presidente, é a expansão do programa de bolsas para alunos do ensino médio de baixa renda, o Pé-de-Meia. Segundo Lula, a ação deveria ter sido comunicada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, no evento, que "não falou porque tinha muita coisa para falar".

A iniciativa tem como objetivo promover a permanência e a conclusão escolar de alunos do ensino médio a partir de um incentivo financeiro. Agora, segundo o presidente, não serão incluídos apenas os estudantes de baixa renda pertencentes a famílias inscritas no Bolsa Família, mas também os que estão registrados no CadÚnico, contemplando mais 1,2 milhão de jovens.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade