PUBLICIDADE

Tatiana Farah

Bolsonaro chora e Tarcísio ri

Governador eleito de São Paulo se descola do "bolsonarismo raiz", mas ainda não decidiu sobre as câmeras da PM

7 dez 2022 - 17h26
(atualizado em 9/12/2022 às 16h16)
Compartilhar
Exibir comentários

O luto é um processo solitário. Cada um sente a dor a seu modo. Que o diga o presidente Jair Bolsonaro (PL). Ele está cada vez mais sozinho no Palácio do Alvorado, onde ainda não digeriu a derrota para o eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Um de seus maiores trunfos, o governador eleito de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), já se descolou da chama golpista que o capitão tenta manter acesa diante dos quartéis.

Tarcísio deu a letra em entrevista à CNN: “nunca fui bolsonarista raiz”. "Sou cristão, contra aborto, contra liberação de drogas, mas não vou entrar em guerra ideológica e cultural”, avisou o novo governador. Também não quis entrar em bola dividida com o Supremo Tribunal Federal (STF). Esta semana, foi flagrado aos risos com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, mais detestado por Bolsonaro do que todo o petismo.

A vitória de Lula foi um alento para a carreira de Tarcísio de Freitas. Ele foi indicado e bancado por Bolsonaro para comandar um estado no qual ele sequer morava. Se Bolsonaro tivesse vencido, Tarcísio teria mais cara de interventor do Estado, agindo a reboque do presidente, do que de governador. Agora, pode correr solto pelo Palácio dos Bandeirantes.

Na escolha de seus secretários, mostrou algumas de suas características: o liberalismo econômico e sua intenção de privatizar a Sabesp, com nomes técnicos especializados em desestatização; a influência de Gilberto Kassab (PSD), que além de secretário emplacou outros companheiros; e um quê conservador nas áreas sociais e, sobretudo na Segurança Pública.

Tarcísio de Freitas e Alexandre de Moraes em posse de ministros do STJ
Tarcísio de Freitas e Alexandre de Moraes em posse de ministros do STJ
Foto: Fábio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil

A bem da verdade, Tarcísio nunca foi o queridinho dos bolsonaristas raiz, mas isso não impediu que eles festejassem sua vitória e o procurassem no gabinete do governo de transição. Entre os visitantes, estava o filho do presidente, Eduardo Bolsonaro (PL-SP), que deu uma passadinha no escritório do vitorioso antes de embarcar para o Catar para ver a Seleção, ops, para distribuir pendrives a aliados internacionais.

Agora, Tarcísio tem diante de si uma forma de mostrar que não é o bolsonarista raiz que segue diligente para um precipício apesar de todas os avisos da ciência de que está no caminho errado.

Mais uma pesquisa confirmou o sucesso das câmeras individuais pregadas nos uniformes dos policiais militares. Em um ano (de julho de 2021 a julho passado), as câmeras evitaram 104 mortes, revela a pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV). É uma redução de 57% no número de mortes em ocorrências policiais.

Durante a campanha, Tarcísio disse ser contra as câmeras porque elas mostrariam que o governo duvida de seus policiais. É sempre bom lembrar que ninguém está acima de dúvidas: nem a polícia, nem o governo, nem os cidadãos. Agora, disse que vai avaliar os estudos. Que vença o bom senso do uso das câmeras que, como já mostramos aqui, também estão evitando a morte dos próprios policiais: houve uma redução de 95%.

Fonte: Tatiana Farah Tatiana Farah é jornalista de política há mais de 20 anos. É repórter da Agência Brasília Alta Frequência. Foi gerente de comunicação da Abraji, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Repórter do BuzzFeed News no Brasil de 2016 a 2020.  Responsável por levar os segredos do Wikileaks para O Globo, onde trabalhou por 11 anos. Passou pela Veja, Folha de S. Paulo e outras redações, além de assessorias de imprensa. As opiniões da colunista não representam a visão do Terra. 
Compartilhar
Publicidade
Publicidade