1 evento ao vivo

RJ: imagens mostram Amarildo após abordagem da PM na Rocinha

9 ago 2013
08h22
atualizado às 08h23
  • separator
  • 0
  • comentários

Uma câmera de monitoramento da favela da Rocinha, em frente a um dos postos da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) registraram o momento em que o pedreiro Amarildo de Souza deixou o prédio e foi colocado em uma viatura da Polícia Militar. As imagens, exibidas na edição do Bom Dia Brasil desta sexta-feira, seriam as últimas registradas antes do desaparecimento de Amarildo, no dia 14 de julho.

<p>Grupos protestam após o sumiço de Amarildo</p>
Grupos protestam após o sumiço de Amarildo
Foto: Ricardo Matsukawa / Terra

A câmera mostra uma mulher, sentada ao lado dos policiais, que seria Elizabeth Gomes da Silva, mulher de Amarildo. Quando um homem sem camisa, apontado pelos policiais como sendo o pedreiro, sai do prédio, a mulher corre em direção aos policiais. Amarildo então é colocado dentro de uma viatura na qual, segundo versão da PM, o levou para a sede da UPP. Como as câmeras da unidade não estavam funcionando, o trajeto não pode ser comprovado.

Sumiço

Amarildo sumiu no dia 14 de julho, após ser levado por policiais militares para a UPP, a fim de prestar esclarecimentos. O comandante da unidade, major Edson dos Santos, garantiu que o pedreiro deixou a base caminhando e depois não foi mais visto. O sumiço do pedreiro ganhou notoriedade depois de virar tema das manifestações de rua, no Rio e em outras capitais, com a frase "Cadê Amarildo?" estampada em faixas e cartazes.

A 15ª Delegacia de Polícia (Gávea), que está investigando o caso, informou que os policiais que detiveram o pedreiro informaram que o haviam confundido com um traficante e levado para averiguação, mas que, logo depois, ele foi liberado. Amarildo não foi mais visto desde então. Entretanto, a mulher do pedreiro disse que o marido nasceu e se criou na comunidade e que todos o conheciam, inclusive policiais da UPP. "A gente os conhecia, dávamos bom dia, boa tarde. Eles (policiais) sempre passavam na minha porta, viam meu marido."

 

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade