2 eventos ao vivo

Presos ordenam ataque a ônibus na Grande Belo Horizonte

Veículo foi incendiado em Contagem, no domingo (28); detentos protestam contra falta de água em presídio.

29 jan 2018
11h50
atualizado às 11h51
  • separator
  • 20
  • comentários

“Queremos que pare a opressão na Penitenciária Nelson Hungria, falta de respeito dos agentes na visita, opressão do git e falta de água há 48 horas nos anexo. Queremos providências.” Era esse o aviso deixado por três homens ao motorista do ônibus que foi incendiado na madrugada de domingo (28) em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Ônibus incendiado em Minas Gerais
Ônibus incendiado em Minas Gerais
Foto: Divulgação

O incêndio ao veículo aconteceu numa avenida de tráfego constante e assustou quem passava pelo local. Segundo informou a Polícia Militar, os criminosos estavam num palio prata e pediram sinal numa parada de ônibus. Ao entrar, um dos homens armados mandou que os funcionários e passageiros descessem e, logo em seguida, jogaram combustível e atearam fogo. Ninguém ficou ferido. Esse foi o terceiro ônibus queimado na RM de Belo Horizonte desde o início do ano .

Bilhete deixado pelos criminosos que incendiaram o ônibus
Bilhete deixado pelos criminosos que incendiaram o ônibus
Foto: Divulgação

A ordem para queimar ônibus nas ruas e avenidas foi dada de dentro da Penitenciária Nelson Hungria, num vídeo gravado por dois detentos. O protesto do bando é contra a falta de água na unidade prisional. De acordo com os presos, não tinha água para lavar as celas, descarga nos banheiros e nem para as visitas beberem.

Um dia antes do incêndio, oito detentos fugiram do presídio logo após o horário de visita. Entre os fugitivos estão envolvidos com o tráfico de drogas e um dos quais seria a conexão entre quadrilhas do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Felipe Souza da Cruz tem 28 anos e foi preso em junho do ano passado depois de ficar sete anos foragido. Comparsas seus chegaram a tentar resgatá-lo e por isso ele foi transferido com escolta reforçada.

A Secretaria de Administração Penitenciária informou que toda a região onde está localizado o presídio foi afetado pela falta de água, mas que o fornecimento já havia sido restabelecido desde a manhã de domingo. A Companhia de Água explicou que o problema foi ocasionado no bombeamento da água e que foi resolvido gradativamente.

Sobre os vídeos, a secretaria afirmou que está investigando para apurar como o celular entrou na penitenciária e os autores da ameaça.

Criminosos fizeram exigências de dentro do presídio
Criminosos fizeram exigências de dentro do presídio
Foto: Reprodução

Veja também

 

Fonte: Especial para Terra
  • separator
  • 20
  • comentários
publicidade