0

Macron faz ataques 'descabidos e gratuitos', diz Bolsonaro

26 ago 2019
10h20
atualizado às 11h13
  • separator
  • 0
  • comentários

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira que não pode aceitar que o presidente da França, Emmanuel Macron, faça o que chamou de "ataques descabidos e gratuitos" à Amazônia e disse que a proposta de Macron de uma aliança do G7 para salvar a floresta trata o Brasil como uma "colônia" e uma "terra de ninguém".

"Não podemos aceitar que um presidente, Macron, dispare ataques descabidos e gratuitos à Amazônia, nem que disfarce suas intenções atrás da ideia de uma 'aliança' dos países do G7 para 'salvar' a Amazônia, como se fôssemos uma colônia ou uma terra de ninguém", escreveu o presidente em sua conta no Twitter.

O presidente da República, Jair Bolsonaro
O presidente da República, Jair Bolsonaro
Foto: Adriano Machado / Reuters

"Outros chefes de Estado se solidarizaram com o Brasil, afinal respeito à soberania de qualquer país é o mínimo que se pode esperar num mundo civilizado", acrescentou.

Mais cedo nesta segunda-feira, Bolsonaro questionou os interesses que estariam por trás de uma ajuda internacional à Amazônia, após Macron anunciar que os países do G7 darão ao menos 20 milhões de euros para ajudar a combater os incêndios na floresta.

O presidente da França também rebateu os comentários feitos no fim de semana por Bolsonaro sobre a primeira-dama francesa, Brigitte Macron, classificando-os de "tristes" e extremamente desrespeitosos. Macron disse ainda esperar que muito rapidamente os brasileiros tenham um presidente que se comporte à altura do cargo.

Em sua publicação no Twitter, Bolsonaro também disse que conversou com o presidente da Colômbia, Iván Duque, sobre uma aliança entre os países que abrigam a Amazônia para "garantia de nossa soberania e riquezas naturais".

Veja também

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade