PUBLICIDADE

'Quem vai pagar?': especialistas consideram 'inviável' custo para enterrar fiação em São Paulo

Enterrar a rede elétrica pode acabar com os transtornos de eventos climáticos, mas especialistas defendem soluções mais simples e baratas

8 nov 2023 - 21h20
(atualizado em 9/11/2023 às 15h04)
Compartilhar
Exibir comentários
Linhas de transmissão de energia
Linhas de transmissão de energia
Foto: REUTERS/Jason Lee

O apagão que atingiu a cidade de São Paulo e mais 23 municípios após uma tempestade na última sexta-feira, 3, acendeu uma discussão antiga: e se a fiação elétrica fosse enterrada? A ideia foi ventilada nesta semana pelo prefeito da capital paulista, Ricardo Nunes (MDB), mas esbarra em alguns fatores que a tornaria inviável, segundo defendem profissionais da área.

O Terra conversou com o diretor-executivo do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Pedro Rodrigues, e com o idealizador do Energy Hub Ventures e sócio do Grupo Sai do Papel, Luiz Mandarino. Os dois apresentaram opiniões semelhantes sobre a proposta de enterrar os fios: é cara e ninguém sabe quem vai pagar a conta.

"Uma rede enterrada é no mínimo 10 vezes mais cara que uma rede elétrica aérea. E este custo não está contabilizado na concessão, e teria impacto no custo da conta de energia do consumidor. Seria inviável à concessionária de energia realizar este tipo de desembolso, sem ter a possibilidade de realizar o retorno deste investimento", avalia Mandarino.

Rodrigues concorda que, no final, o custo recairia sobre a população. "O consumidor já paga uma tarifa alta demais de energia no Brasil. Talvez a gente pague uma das tarifas mais altas do mundo. Então, o consumidor, ele também tem um limite de pagamento dessa tarifa", considera o diretor do CBIE.

Moradores ateiam fogo em pneus e interditam via após 4 dias sem energia em São Paulo:

O prefeito Ricardo Nunes chegou a mencionar uma 'taxa de melhoria' durante entrevista coletiva, na última segunda-feira, 6. O valor extra, a princípio, seria para que a população ajudasse a custear o enterramento de fios, juntamente com a prefeitura. Depois, na terça-feira, 7, Nunes disse, em entrevista à GloboNews, que sua declaração foi tirada de contexto.

"Em hipótese alguma teremos taxa em São Paulo. O contribuinte já paga um valor na sua conta de energia. Vamos usar parte desse recurso para fazer enterramento de fios. Se alguém quiser apresentar um projeto na sua região, a Prefeitura está disposta a contribuir para agilizar o enterramento de fios na cidade", disse.

O que é o enterramento dos fios?

Como o nome sugere, o enterramento tem como objetivo retirar da superfície a fiação elétrica que está presa aos postes das cidades. Mandarino explica que, no caso do enterramento da fiação, os fios de energia e telefonia são levados para debaixo da terra, sem proteger por completo a rede elétrica.

Isso é diferente do aterramento da rede. A segunda opção seria a ideal para evitar danos após tempestades e ventanias. No entanto, especialistas alertam, ela é mais complexa e mais cara.

O professor José Roberto Cardoso, da Escola Politécnica da USP, explica ao jornal da universidade, que seria preciso enterrar também os postes e transformadores para que o projeto fosse bem sucedido. 

Existem outras soluções?

Outros países, como os Estados Unidos, já aderiram à alternativa, segundo Rodrigues. O que muda é o planejamento.

"Miami é uma cidade que passa por furacão, vendavais, e não falta energia. Nova Iorque também. O americano faz um planejamento do que ele vai querer fazer, e, aqui, não temos. Eles também têm uma renda per capita maior que o brasileiro, então, podem pagar por isso. A gente não tem tanto essa possibilidade", explica. 

Apesar de custosa, os especialistas não negam as vantagens de ter a rede enterrada.

"Seria uma solução com um caráter mais definitivo para mitigar a interrupção por queda da fiação, motivada principalmente por árvores e acidentes", afirma Mandarino.

Temporal derrubou dezenas de árvores na cidade de São Paulo, o que afetou a rede elétrica. Na imagem, árvore retirada no bairro de Moema
Temporal derrubou dezenas de árvores na cidade de São Paulo, o que afetou a rede elétrica. Na imagem, árvore retirada no bairro de Moema
Foto: Felipe Rau/Estadão / Estadão

Ele aponta, no entanto, que há outras medidas mais baratas e menos complicadas. A poda de árvores, por exemplo, é uma das medidas que devem ser tomadas para evitar episódios semelhantes ao que ocorreu no último fim de semana

"Há soluções atualmente que usam tecnologia de visão computacional e IA para reduzir o custo das podas e ser mais assertivo nos locais onde se mais precisa", pontua Mandarino. "Isso pode melhorar o sistema de podas, ampliando para mais árvores com o mesmo custo gasto atualmente. A adoção desta solução seria mais simples e já traria uma melhoria no monitoramento das áreas com maior densidade de árvores e com maior exposição na rede elétrica". 

Durante o problema de energia enfrentado pela capital paulista, o governador de São Paulo, Tarcisio de Freitas (Republicanos), atribuiu às árvores a interrupção do fornecimento de energia. Ele falou em "falta de manejo adequado" e cobrou um "plano conjunto de manuseio arbóreo".

"É uma questão que a gente vai estruturar. Vamos pegar o benchmark de outros Estados que aprovaram legislações, como o Paraná, que ajudam o prefeito nesse manejo", prometeu.

Porém, tais medidas são temporárias em relação às necessidades da cidade.

Capital paulista tem cerca de 420 mil árvores, segundo a prefeitura
Capital paulista tem cerca de 420 mil árvores, segundo a prefeitura
Foto: Reprodução/Getty Images

A opção poderia ser aplicada em outras cidades? 

A resposta é "depende", segundo Pedro Rodrigues, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE). Para ele, cada cidade possui sua própria realidade e, por isso, o enterramento pode não funcionar em todos os estados. 

"Essa solução não tem que ser nacional. A solução tem que ser local, dependendo da característica da rede daquela cidade, daquele bairro e assim por diante", explica. "São Paulo talvez faça sentido em alguns bairros; talvez no Amapá não tenha sentido, lá tenha que ser aérea, por exemplo. Existem situações diferentes".

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade