PUBLICIDADE

Cidades

Policiais matam enfermeira com tiros durante perseguição de carro no interior do Acre

Polícia diz que a mulher furou bloqueio policial e estava armada; família refuta

3 dez 2023 - 15h04
(atualizado às 15h26)
Compartilhar
Exibir comentários
Gessica morava em Rio Branco e deixa três filhos pequenos
Gessica morava em Rio Branco e deixa três filhos pequenos
Foto: Reprodução/Facebook

A enfermeira Géssica Melo de Oliveira, de 32 anos, morreu após ser baleada por policiais militares em uma perseguição de carro. O caso aconteceu no sábado, 2, em Senador Guiomard, no interior do Acre. Segundo o Estado, a mulher furou um bloqueio e estava armada. A família refuta a versão.

Na tarde deste domingo, 3, o governo do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), publicou uma nota pública sobre o acontecimento - assinada por José Américo Gaia, responsável pela pasta. 

Segundo os registros da ocorrência, policiais militares do efetivo de Capixaba solicitaram apoio do Grupo Especial de Fronteiras (Gefron) para que auxiliassem na abordagem de um veículo que desobedeceu a ordem de parada. Géssica, que dirigia o veículo, fazia “manobras perigosas”, aponta a polícia.

A mulher seguiu em alta velocidade e desobedeceu mais uma ordem de parada. Na nota, é afirmado que os policiais continuaram acompanhando o veículo até que “foi possível visualizar parte de um braço empunhando uma arma de fogo”. Neste momento, “diante do risco iminente à integridade física da equipe policial”, cinco cinco disparos foram efetuados em direção ao veículo.

A condutora perdeu o controle do veículo, saiu da pista de rolamento e colidiu em uma cerca de arame. Os agentes então foram até o carro e a identificaram como Géssica Melo de Oliveira.

Ainda de acordo com a nota, ao perceber que a mulher estava ferida, os policiais acionaram o serviço de emergência, isolaram o local e prestaram o socorro, conduzindo-a ao Hospital-Geral de Senador Guiomard. Depois tiveram conhecimento de sua morte.

A perícia também foi acionada e, nas intermediações onde o carro parou, agentes coletaram uma pistola 9mm municiada e engatilhada. A Polícia Militar instaurou um inquérito por meio da corregedoria para apurar o caso.

Em entrevista ao G1 Acre, familiares e amigos de Géssica contestaram a versão da polícia. Segundo eles, a mulher não andava armada e sofria de depressão. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade