PUBLICIDADE

Idoso reencontra cão após enchente invadir sua casa no RJ

Animal fugiu após o tutor ser encaminhado para um abrigo e deu trabalho para ser localizado

16 abr 2022 15h16
ver comentários
Publicidade
Foto: Prefeitura de Maricá

Após cerca de três semanas, um reencontro mais que esperado e emocionante aconteceu entre o cão Valente e o seu dono, Modesto Padilha de Araújo, 73, morador de Bambuí em Maricá, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Os dois foram separados depois que as fortes chuvas atingiram o Estado.

Durante a tempestade que caiu no dia 1º de abril, seu Modesto, como gosta de ser chamado, perdeu tudo que tinha após sua casa ser invadida pelas enchentes. Ele ficou completamente ilhado por um dia, até que chegasse o socorro.

“Foi uma aflição danada. Eu não comia nem conseguia dormir direito pensando no meu filho perdido nessa confusão toda”, contou Modesto ao jornal Extra. “Ele vive comigo desde pequenininho e não sei mais viver sem o meu melhor amigo”, disse o idoso.

Abrigo

Na hora do resgate, seu Modesto ainda resistiu a sair do local inundado, preocupado com o cão. Os dois chegaram a ficar juntos em uma escola da rede municipal que servia de abrigo para as vítimas das chuvas, mas Valente fugiu do local no dia seguinte. O desespero do idoso mobilizou voluntários que durante as rondas e tarefas pela cidade seguiram procurando pelo vira-lata caramelo nas ruas.

Valente reapareceu esta semana, quando foi encontrado na porta de um bombeiro voluntário, o Pedro Mello, quem resgatou o animal e o tutor do alagamento, no sábado anterior.

Foto: Prefeitura de Maricá

“Eu estava no trabalho, distraído e minha mãe me mandou uma mensagem com a foto do cachorro deitado na porta de casa perguntando se aquele não era o Valente. Fiquei todo arrepiado e saí correndo pra casa pra ver com meus próprios olhos e poder confirmar”, lembrou o voluntário.

“Ele ficou deitado e não deixava ninguém chegar perto dele. Assim que cheguei, ele me reconheceu e me deixou mexer nele. Fiquei o dia todo fora de casa entrando em água e lama e mesmo assim, assim que cheguei ele não teve dúvida.”

O servidor público, que mora a quase 40 minutos de distância da escola em que Valente fugiu, diz não ter ideia de como o cachorro conseguiu chegar até o endereço.

Reencontro

O reencontro dos dois ocorreu no fim da tarde da última quinta-feira (14), no banco que tem servido como base de operação para os voluntários da prefeitura. Valente agora é mascote honorário do grupo e vai todos os dias para o local, onde encontra o dono enquanto os dois ainda não podem voltar a morar juntos.

Foto: Prefeitura de Maricá

Como Seu Modesto perdeu tudo, ele foi abrigado em uma pousada, quando deixou a escola que servia de lar temporário. Infelizmente a pousada não aceita animais e, por isso, eles ainda permanecem abrigados em locais diferentes. No entanto, Seu Modesto não desanimou. Ele fez o cadastro social para poder receber uma nova casa e voltar a morar com o melhor amigo.

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade