PUBLICIDADE

Multiplayer de CoD: Vanguard tem mais caos e mais emoção

Partidas com até 48 jogadores incorporam elementos de Modern Warfare com ambientação na Segunda Guerra

8 set 2021 19h33
| atualizado em 9/9/2021 às 16h47
ver comentários
Publicidade
Multiplayer de CoD: Vanguard tem mais caos e mais emoção:

O aguardado Call of Duty: Vanguard, que tem data de lançamento marcada para 5 de novembro (e disponível apenas em cópias digitais no Brasil), traz uma diversidade interessante no multiplayer e uma nova perspectiva para o modo tático da franquia. O Terra GameON testou o beta antecipadamente, que será aberto para jogadores entre 10 e 20 de setembro, e conta algumas impressões a seguir. O teste foi realizado no PC.

Multiplayer clássico, porém com novidades

CoD: Vanguard, em desenvolvimento pela Sledgehammer Games, trará dezesseis mapas de jogabilidade - quatro mapas 2v2 Tiroteiro e a experiência Batalha de Campeões - disponíveis no dia de lançamento. O GameON passou por alguns deles, como Red Star, Gavutu, Hotel Royal e Eagle's Nest - três deles estarão disponíveis no beta aberto. Os cenários encantam bastante quando o assunto é ambientação e proporcionam uma grande imersão na Segunda Guerra. Mesmo sendo a versão beta, os gráficos correspondem ao fotorrealismo prometido pela Sledgehammer.

Além do modo Batalha de Campeões - torneio para solos, duplas e trios - Vanguard trará outro modo inédito: o Patrulha. Ele é baseado em "zona de conflito", e as equipes têm foco em objetivos com uma zona de pontuação em movimento constante. De fato, este foi o destaque do teste, pois permitiu que a partida tivesse várias viradas e mudanças de liderança, garantindo muita emoção. E apesar do caos predominante, é necessário ter um pensamento estratégico em equipe para tentar conquistar as zonas.

Hotel Royal está entre os mapas mais divertidos do teste realizado pelo GameON
Hotel Royal está entre os mapas mais divertidos do teste realizado pelo GameON
Foto: Divulgação/Activision

Importante ressaltar que as novidades não excluem as maneiras "clássicas" de jogar Call of Duty, como o Mata-mata em equipe, Baixa Confirmada, Dominação, entre outros que estão nos modos que retornam à franquia - já vistos em Modern Warfare (2019). Afinal, se algo pode ser concluído é que Vanguard é uma releitura do antigo título da série no contexto da Segunda Guerra Mundial.

A personalização também é outro ponto alto, já que ao escolher o armamento para uma partida multijogador, os jogadores se equiparão com o Armeiro. Uma evolução do sistema introduzido em Modern Warfare, o Armeiro agora conta com 10 espaços de acessório em algumas armas, permitindo milhares de possibilidades adicionais para auxiliar em praticamente todos os cenários de combate e estilos de jogo.

Mais caos = mais emoção

Para os fãs de adrenalina, os mapas de Vanguard proporcionam um prato cheio de caos e emoção. Isso porque a Sledgehammer trouxe uma inovação um tanto impactante para o jogo ao tornar os ambientes reativos. Ou seja, agora é possível explodir determinadas paredes frágeis, derrubar portas e janelas ou destruir azulejos, cenários, estruturas e outros objetos para forçar a movimentação dos inimigos ou para atingi-los.

Sendo assim, os ambientes se tornam ainda mais destrutíveis e perigosos, dando uma sensação maior de falta de proteção. É ao mesmo tempo instigante e emocionante.

Quando encontrar cobertura atrás de objetos resistentes, o jogador terá duas opções para atirar - além do tiro livre e mirando: a primeira é apoiar, que já esteve presente em jogos anteriores, embora os Operadores também possam "deslizar" suas armas apoiadas pela superfície na vertical ou horizontal para se moverem. A segunda é o fogo cego — em troca de um pouco de precisão, esta manobra concede melhor cobertura em situações nas quais você estiver prestes a sofrer fogo de supressão.

Estes ambientes reativos se tornam ainda mais realistas com as técnicas de iluminação e fotorrealismo usados pela Sledgehammer. Dois dos mapas que testamos, o Hotel Royal e Eagle's Nest, são os que oferecem uma representação mais consistente em relação aos gráficos, segundo a própria desenvolvedora, e dão uma ideia geral sobre o tamanho que devemos esperar das arenas e o nível de destruição.

Quais são os estilos de jogo?

  • Tático: Estes são as salas que os veteranos da franquia conhecem. Esta é a experiência com a qual você está acostumada, com tempo de combate clássico de Call of Duty. O Ritmo de Combate Tático é sempre 6v6.
  • Assalto: Esta opção oferece um Ritmo de combate equilibrado, no qual você terá tempo de se acalmar e muitos alvos para eliminar. Assalto é o meio termo entre Tático e Blitz. No Fim de Semana 1 do Beta, o número de jogadores vai variar entre 20 e 28.
  • Blitz: Salas cheias de ação, nas quais a intensidade chega a níveis frenéticos. Prepare-se para muito combate ao se juntar a um Blitz. No Fim de Semana 1 do Beta, o número de jogadores vai variar entre 28 e 48.

Concluímos então que...

O beta provou que Vanguard tem um potencial gigantesco. É bonito e interessante. Falta ainda, é claro, o polimento - no vídeo é possível perceber algumas quedas bruscas de quadros em relação ao fogo e explosões - mas a maior diversidade de modos do multiplayer, aliado ao tão conhecido estilo Call of Duty de jogabilidade tornam a experiência muito divertida. Não só para jogar sozinho, mas com o seu "squad". 

Alguns pontos ainda precisarão ser melhor trabalhados pela dev, como a cadência dos tiros e armas de alta destruição (que ainda não puderam ser testadas por crashar o jogo), e enquanto isso os jogadores devem aumentar suas expectativas, porque sentimento é muito positivo.

Fonte: Game On
Publicidade
Publicidade