PUBLICIDADE

Mario vs. Donkey Kong é retorno triunfal de rivalidade clássica

Exclusivo de Nintendo Switch, jogo chega em 16 de fevereiro

14 fev 2024 - 19h38
Compartilhar
Exibir comentários
Mario vs. Donkey Kong chega ao Nintendo Switch em 16 de fevereiro
Mario vs. Donkey Kong chega ao Nintendo Switch em 16 de fevereiro
Foto: Divulgação / Nintendo

20 anos após o lançamento da versão original para Game Boy Advance, Mario e Donkey Kong duelam novamente, desta vez no Nintendo Switch em um remake que não apenas renova, como também expande aquela que é a mais antiga e tradicional rivalidade dos videogames. 

E eles fazem isso de uma forma triunfal em Mario vs. Donkey Kong.

A fábrica de brinquedos do Mario

Ao zapear pelos canais de televisão em um momento de descontração, Donkey Kong se depara com a propaganda de um novo brinquedo de Mario, um Mini-Mario de corda. Rapidamente encantando pela novidade, o gorilão corre para a loja mais próxima e descobre que o brinquedo está esgotado. Revoltado, ele decide simplesmente invadir a fábrica de brinquedos do Mario e roubar todos os brinquedos. Então, resta a Mario partir em busca dos brinquedos roubados.

A evolução dos games Mario vs.Donkey Kong: da esquerda para a direita, Donkey Kong (Game Boy, 1994), Mario vs. Donkey Kong (Game Boy Advance, 2004) e Mario vs Donkey Kong (Nintendo Switch, 2024)

Essa é a premissa de mais um capítulo da briga entre o encanador italiano e o gorila. Briga que começou em 1981 com Donkey Kong e continuou em 1994, com um novo Donkey Kong (também conhecido como "Donkey Kong 94") para Game Boy. Dez anos depois, em 2004, o título encontrou casa nova no Game Boy Advance e, agora, ganha o nome de Mario vs Donkey Kong, que adiciona os Mini-Marios à mecânica de jogo.

Briga renovada

Tanto no original de GBA como agora, no Nintendo Switch, cabe ao jogador atravessar fases que misturam situações de quebra-cabeça com as tradicionais plataformas esperadas em um jogo Mario. Assim, ao contrário dos títulos tradicionais estrelados pelo encanador italiano, o jogador deve pensar suas ações antes de sair saltando sobre inimigos e plataformas, e rapidamente se dará conta que este título tem um ritmo mais cadenciado que jogos recentes da série principal, como Super Mario Bros. Wonder.   

O jogador também notará que os controles e a forma como Mario reage a eles é mais rígida, no sentido que ações como saltos, corrida e captura de objetos levam alguns quadros a mais para corresponder ao controle acionado, do que em um jogo de ação e plataforma tradicional. O que faz sentido, dada a proposta do jogo. 

No entanto, não há nada a temer. A precisão esperada de um jogo Nintendo, além de tudo estrelado pelo mascote da empresa, torna o processo de adaptação bastante rápido. A adição de um modo casual, que elimina o cronômetro e dá cinco pontos de vida, e a sempre presente opção de retroceder as fases são elementos que tornam a vida do jogador ainda mais fácil. Ainda sobre novidades, a Nintendo também incluiu no remake um inédito modo para 2 jogadores, que juntos podem cooperar para vencer os desafios do jogo. 

A estrutura de jogo também é diferente da dos jogos da série tradicional. Agora, cada um dos oito mundos do jogo é composto por seis conjuntos de fases. No primeiro estágio, cabe ao jogador encontrar uma chave para destrancar a porta que dá acesso à tela seguinte. Então, o jogador precisa superar obstáculos e descobrir o caminho para pegar o Mini-Mario. 

Terminados os 6 conjuntos, o jogador ganha acesso a uma nova fase à lá Lemmings, em que Mario tem que levar os bonecos recolhidos nos estágios anteriores até um baú. Só então o protagonista enfrenta Donkey Kong, em uma batalha no mesmo estilo daquela vista nos jogos clássicos.

Pequeno grande jogo

Ainda que Mario vs. Donkey seja um jogo "pequeno", ou seja, não tenha mundos vastos e a grande produção típica dos AAA atuais, é um título cuja criatividade e esmero no desenvolvimento são evidentes. Se por um lado os gráficos são simples, Mario, os obstáculos e inimigos todos são bem animados e expressivos. Gravada com arranjos instrumentais e um estilo jazz, a trilha sonora surpreende e funciona bem. Como se não pudesse melhorar, Mario vs. Donkey Kong conta com o retorno do icônico dublador Charles Martinet como Mario.

A jogabilidade também é quase irretocável. O jogo tem uma curva de aprendizado suave e possui desafios moderados, que muitas vezes vão exigir um bom raciocínio do jogador. Passadas as mais de 130 fases da campanha principal, Mario vs. Donkey Kong mostra suas fases extras, um modo "Expert", que contém um conjunto de fases mais desafiadoras, e um inédito modo Time Attack – ou seja, os fãs de quebra-cabeças têm um pacote recheado de possibilidades.

Conclusão

Mario vs. Donkey Kong – Nota: 9
Mario vs. Donkey Kong – Nota: 9
Foto: Reprodução / Game On

Mario vs. Donkey Kong é resultado de um trabalho admirável e apresenta um clássico dos videogames para a geração atual. Ainda que não seja uma superprodução, o jogo tem êxito em tudo o que foi proposto pelos desenvolvedores.

Tanto os fãs de quebra-cabeças quanto aqueles que terminaram jogos como Super Mario Bros. Wonder ou New Super Mario Bros. e estavam carentes de um novo título com o mascote máximo da Nintendo tem uma bela opção na qual investir.

Mario vs. Donkey Kong será lançado em 16 de feveriro, exclusivamente para Nintendo Switch.

*Esta análise foi feita com uma cópia gentilmente cedida pela Nintendo.

Quer conhecer outros jogadores, saber das últimas novidades dos games e ter acesso a brindes e campeonatos? Participe do nosso Discord!

Fonte: Game On
Compartilhar
Publicidade
Publicidade