0

Ativo fora de campo: em 2017, Kalou, reforço do Botafogo, afirmou: 'Racismo é como terrorismo'

Atacante que vai jogar no Alvinegro tem visão forte longe das quatro linhas; há três anos, marfinense comparou, à "ESPN", atos racistas com ações terroristas

9 jul 2020
21h44
atualizado às 21h44
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Kalou chega para ser um dos maiores reforços do Botafogo para a temporada. O marfinense, ao que parece, tem tudo para contribuir com o clube e a sociedade fora de campo também. Assim como Keisuke Honda, outra contratação do Glorioso para 2020, o marfinense é ativo fora das quatro linhas.

Kalou em ação pelo Hertha Berlin (Foto: Instagram/@salomonkalou)
Kalou em ação pelo Hertha Berlin (Foto: Instagram/@salomonkalou)
Foto: Lance!

Em 2017, quando atuava pelo Hertha Berlin, da Alemanha, Kalou comentou, em entrevista à "ESPN", sobre um protesto que os jogadores da equipe fizeram. Durante a execução do hino nacional, a equipe ajoelhou, em protesto por episódios de racismo na época.

- Ficar de joelhos não tem a ver com levantar bandeira, mas sim mostrar que somos um só como povo. Um coração humano é muito pequeno para ter lugar para tanto ódio, isso é algo horrível para se ter no coração. Fico mal por essas pessoas com tanto ódio no coração - afirmou, na entrevista, realizada em outubro de 2017.Três anos depois, a situação não é muito diferente. Casos como o de George Floyd, nos Estados Unidos, também inspiraram novos protestos no mundo dos esportes. Em 2017, Salomon Kalou deu uma forte declaração sobre o racismo.

- As pessoas não podem negar que esse tipo de comportamento existe. Se você diz algo sobre pessoas que fazem isso (ações racistas), você deveria fazer alguma coisa para mostrar que é contra esse tipo de comportamento. Para mim, racismo é como terrorismo - analisou.

Kalou criticou as pessoas que enxergaram, à época, a ação de ajoelhar como um exagero. Para o novo reforço do Botafogo, é preciso se manifestar contra o preconceito racial de qualquer maneira.

- Muitas pessoas enxergam de maneira errada, veem como uma campanha. Eu acho que se você é contra o racismo você deve fazer alguma coisa. Se não fizer nada, você não deve criticar as pessoas que realmente tentam fazer algo - finalizou.

Veja também:

Vai ter Dérbi! Editor do L! projeta final do Paulistão
Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade