PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul
Logo do Botafogo

Botafogo

Favoritar Time

Senador faz duras declarações após reunião secreta com Textor, dono do Botafogo; confira

Acionista majoritário da SAF entregou documentos em encontro com parlamentares

23 abr 2024 - 22h06
Compartilhar
Exibir comentários

Após uma sessão secreta com John Textor, sócio majoritário da SAF do Botafogo, o senador Carlos Portinho, do PL-RJ, subiu o tom e deu fortes declarações. Para o parlamentar, as denúncias do empresário vão servir de alerta para as autoridades. Confira no player acima.

Foto: Lance!

- Ele (Textor) é um mensageiro. A todos aqueles que nos assistem, que tenham denúncias para fazer, que essas denúncias ao menos tenham indícios, e há indícios, elementos técnicos apresentados pelo John Textor, há conteúdo. Me espanta como a CBF, que é a maior responsável pela integridade do futebol do Brasil, não foi a fundo. Como é que o STJD, que tem excelentes advogados contratados como auditores, não foi a fundo nisso. Há elementos técnicos, há conteúdo, há razões para investigar.

- O que o John Textor nos trouxe aqui podem não ser provas concretas, mas não tenho dúvida de que é fundamental que sejam essas investigadas para preservação da integridade e, para aqueles que pensem em fraudar resultados esportivos, desistam. Aqui, se todo ano tiver que abrir uma CPI, vamos estar aqui. Hoje, o que nos traz a inteligência artificial, a tecnologia… Quem resistir à tecnologia será atropelado pela história. Deve ser dado crédito a todo material aqui produzido, como nós daremos.

- Se você (falando em direção a Textor) estiver 100% certo ou 100% errado, já valeu, porque vamos sair dessa CPI com diagnóstico e propostas para melhoria do futebol brasileiro. Aprovamos a Lei das Apostas, mas o Estado ainda não está preparado para combater a manipulação. O que você nos traz é no mínimo um alerta, uma advertência, de que o Governo, a Polícia Federal, o MP e as confederações precisam se preparar rápido, porque há casos de má interpretação da regra do jogo, há casos de edição do VAR, do que é passado na TV e há casos de comportamento de atletas que eu, sozinho, considero um indício.

Lance!
Compartilhar
Publicidade
Publicidade