PUBLICIDADE

Aventura da Jamaica fica sem gol, mas rende selfie com Messi

21 jun 2015 12h14
ver comentários
Publicidade

Convidada como terceira opção para completar as 12 seleções da Copa América, após as recusas dos asiáticos Japão e China, a Jamaica deixou a competição no último sábado da forma esperada: muita entrega e luta em campo, mas três derrotas em três jogos e a eliminação na primeira fase. Mas se não deu para causar uma surpresa em um grupo difícil, ao menos os jogadores levarão recordações para o resto da vida, como camisas dos argentinos e até uma selfie com Lionel Messi.

A cena inusitada aconteceu logo após o árbitro apitar o final da derrota por 1 a 0 da Jamaica diante da Argentina, no Estádio Sausalito, em Viña del Mar. O atacante Deshorne Brown, que havia sido substituído, já estava preparado com seu celular no banco de reservas. Assim que o jogo acabou, ele correu para o campo e tirou uma foto com Messi – àquela altura, não mais um adversário, e sim um ídolo.

"Para mim, ele (Messi) é o melhor do mundo", disse Brown, 24 anos, que joga pelo Valerenga, da Noruega. "Ele é a inspiração que uso para desenvolver minhas habilidades. Sempre vejo seus jogos no Barcelona. Eu pensei: 'vou pedir a foto, mas se ele não quiser, tudo bem'. Mas ele foi legal e disse que sim. Fiquei feliz, agora vou para casa e vou emoldurar a foto".

Com três derrotas em três jogos, Jamaica mostrou limitações principalmente no ataque
Com três derrotas em três jogos, Jamaica mostrou limitações principalmente no ataque
Foto: AFP

O técnico Winfried Schäfer não recriminou a atitude de "tiete" de seus jogadores com os argentinos e se disse orgulhoso do desempenho da Jamaica na Copa América. Apesar de ter perdido de Uruguai, Paraguai e Argentina no Grupo B, todas as derrotas foram só por 1 a 0, e a equipe caribenha mostrou algumas virtudes, como aplicação na marcação e velocidade na frente.

"Eu me lembro de um jogo pela Liga dos Campeões em que jogadores do Bayer Leverkusen estavam falando, antes de uma partida contra o Barcelona, sobre quem pegaria a camisa do Messi depois", comparou

o técnico alemão. "Acabaram perdendo de seis ou sete, algo assim (7 a 1, em julho de 2012, com cinco gols de Messi). E Messi é um jogador muito simpático, nunca vi cometer uma falta grave. É um prazer jogar contra alguém assim".

Argentinos adaptam provocação ao Brasil pra ironizar Chile:

Apesar da cordialidade e de ter classificado a participação na Copa América como "uma grande festa", Schäfer também vai deixar o Chile com algumas preocupações. A maior delas, já visando a disputa da Copa Ouro da Concacaf em julho, será a inoperância de seu ataque, que não conseguiu balançar as redes em nenhuma das três partidas.

"Estou orgulhoso do meu time, jogamos contra alguns dos melhores times do mundo e perdemos os três jogos por 1 a 0. Então nosso problema está nas finalizações. Precisamos melhorar nossos atacantes e também aproveitar melhor as jogadas de faltas e escanteios. Muitas equipes vencem através de lances assim, então é isso que temos que trabalhar para a Copa Ouro", encerrou o alemão.

 

 

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade