PUBLICIDADE

Terra no Catar

Seleção estreia camisa azul contra Camarões e agrada supersticiosos

Brasil atuou pelo menos uma partida com o segundo uniforme em três das cinco campanhas de títulos mundiais

2 dez 2022 - 05h00
Compartilhar
Exibir comentários
Rodrygo atuando pela Seleção Brasileira
Rodrygo atuando pela Seleção Brasileira
Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Nada de amarelinha. Como é considerado visitante contra Camarões, a Seleção vai entrar em campo nesta sexta-feira, 2, com a camisa azul. Será a primeira partida do Brasil no Catar com o segundo uniforme. O jogo acontece às 16h, no Lusail Stadium, e fecha a participação da equipe comandada por Tite na fase de grupos da Copa do Mundo de 2022.

Para quem gosta de superstição, é uma ótima notícia. Em três das cinco campanhas de títulos mundiais, a Seleção jogou pelo menos uma partida com a camisa azul. Em 1958, a equipe brasileira entrou em campo com o segundo uniforme na decisão contra a Suécia, que era a dona da casa. Segundo Pepe, Paulo Carvalho de Machado, chefe de delegação, foi quem decidiu que o time entraria em campo com as cores do manto de Nossa Senhora Aparecida. Vitória brasileira por 5 a 2 e primeira título mundial da história do futebol brasileiro.

A camisa azul também foi usada nas quartas de final do Mundial de 1994 e de 2002. Nos Estados Unidos, vitória por 3 a 2 contra a Holanda. Oito anos depois, um triunfo por 2 a 1, de virada, contra a Inglaterra na Copa disputada no Japão e na Coreia do Sul. 

O modelo lançado a Copa deste ano gerou polêmica e dividiu os torcedores em um primeiro momento. Inspirada na ‘garra brasileira’, a coleção trouxe estampas em homenagem à onça-pintada. A camisa azul, por exemplo, tem essas marcas nas mangas.  Apesar da polêmica, o segundo uniforme se tornou o ‘queridinho’ dos torcedores e chegou a esgotar nas lojas. Ele sai por R$ 350.

Com os titulares poupados, o Brasil deve ter a seguinte formação contra Camarões: Ederson, Daniel Alves, Eder Militão, Bremer e Alex Teles; Fabinho, Bruno Guimarães e Rodrygo; Antony, Gabriel Martinelli e Gabriel Jesus.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade