3 eventos ao vivo

Ferrari mantém pés no chão e foca apenas em "brigar por pódios" na temporada 2021

Longe de fazer boa temporada em 2020, a Ferrari já começa a pensar no próximo ano. Para 2021, a escuderia espera voltar a brigar pelo menos por pódios, mas sabe que vai ser difícil encarar a Mercedes na disputa pelo título

29 out 2020
09h09
atualizado às 09h11
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Mattia Binotto no domingo do GP de Portugal de F1
Mattia Binotto no domingo do GP de Portugal de F1
Foto: Ferrari / Grande Prêmio

A Ferrari vive uma dura temporada em 2020. Apesar de alguns bons resultados de Charles Leclerc, a escuderia não consegue andar no ritmo de Mercedes e Red Bull, além de constantemente superada por Renault, McLaren e Racing Point. Para 2021, Mattia Binotto, chefe da equipe, quer uma virada.

Apesar de buscar uma virada, a Ferrari não deve ter um 2021 brilhante. Por conta da pandemia de Covid-19, os gastos e as atualizações foram congeladas para a próxima temporada. Com isso, sonhar com pódios parece o máximo neste momento.

"Não é realista a Ferrari lutando pelo campeonato no próximo ano. O que precisamos voltar é a brigar por pódios de maneira regular, esse deve ser nosso objetivo. A equipe está viva e estou confiante de que vamos dar um passo adiante, é o momento adequado para mudanças", afirmou Binotto em entrevista à Sky Sports italiana.

Siga o GRANDE PRÊMIO nas redes sociais:

Charles Leclerc foi o quarto colocado no GP de Portugal (Foto: Ferrari)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! .

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

O chefe de equipe da Ferrari também comentou sobre o novo regulamento, que entra em vigor apenas em 2022, mas que deve ser explorado pelas equipes a partir do próximo ano. O dirigente vê as mudanças como uma forma de melhorar o espetáculo e aumentar o número de ultrapassagens.

"Todos possuem a oportunidade de começar com um novo regulamento para 2022 e não só isso. Também poderemos trabalhar na parte aerodinâmica a partir de janeiro. É um bom desafio, vão embaralhar as cartas", declarou.

"As premissas estão corretas: aumentar o espetáculo e também que os carros tenham menos rendimento aerodinâmico para assim ficarem próximos", completou o italiano.

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:

Grande Prêmio
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade