PUBLICIDADE

Preços do petróleo avançam 4% apesar de aumento de estoques dos EUA

21 jul 2021 17h29
ver comentários
Publicidade

Os preços do petróleo avançaram mais de 4% nesta quarta-feira, estendendo ganhos da sessão anterior com melhora no apetite de risco oferecendo suporte, apesar de dados mostrarem aumento inesperado nos estoques de petróleo dos Estados Unidos.

Tanque de estoque de petróleo no Texas, EUA. 
22/11/2019   
REUTERS/Angus Mordant
Tanque de estoque de petróleo no Texas, EUA. 22/11/2019 REUTERS/Angus Mordant
Foto: Reuters

Os contratos futuros do Brent avançaram 2,88 dólares, ou 4,2%, para fechar em 72,23 dólares o barril. O futuros do petróleo dos EUA (WTI) subiram 3,1 dólares, ou 4,6%, a 70,30 dólares o barril.

Os futuros estão se recuperando após queda de cerca de 7% na segunda-feira, seguida de uma acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados, grupo conhecido como Opep+, para aumentar a oferta em 400 mil barris por dia de agosto a dezembro.

A liquidação foi exacerbada por temores que um aumento nos casos da variante Delta do coronavírus nos maiores mercados como Estados Unidos, Reino Unido e Japão afetaria a demanda.

"No geral, o acordo da Opep cristalizou o que o mercado deve esperar quanto à restauração da produção", afirmou Andy Lipow, presidente da Lipow Oil Associates.

"No entanto, mesmo de acordo com os números da Opep+, não é suficiente para conter a queda geral do estoque mundial de petróleo e, para mim, isso é dar suporte ao mercado."

Os ganhos nos preços desta quarta-feira ocorreram apesar do avanço nos estoques de petróleo dos Estados Unidos pela primeira vez desde maio.

Os estoques de petróleo avançaram inesperadamente 2,1 milhões de barris na semana passada, para 439,7 milhões de barris, segundo dados da Administração de Informação sobre Energia (AIE). Analistas esperavam uma queda de 4,5 milhões de barris. [EIA/S]

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade