0

Governo não tem plano B e trabalha com aprovação da reforma da Previdência, diz Guardia

7 dez 2017
11h04
  • separator
  • comentários

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou nesta quinta-feira que o governo não tem um plano B e que trabalha apenas com o cenário de que a reforma da Previdência será votada em breve.

Segundo ele, o trabalho agora é de convencimento dos parlamentares para aprovar a matéria e que as fortes reações negativas que os mercados financeiros estão mostrando nesta sessão ocorrem porque eles sabem "da importância da reforma da Previdência".

"O governo está preparado para aprovar e não trabalhamos com o cenário de não aprovar a reforma", disse Guardia em evento da Comissão de Valores Mobiliários realizado no Rio de Janeiro.

"Não tem saída. Tem que aprovar a reforma. Já temos um gasto alto, o mercado sabe disso e olha para isso", completou.

Apesar do discurso otimista de lideranças da base nos últimos dias, o governo do presidente Michel Temer decidiu adiar para esta quinta-feira uma decisão sobre se a nova versão da reforma da Previdência será colocada em votação no plenário da Câmara dos Deputados na próxima semana.

Diante disso, o mercado reagia nesta sessão, com o dólar em alta de quase 2 por cento contra o real, as taxas dos contratos futuros de juros mais longos avançando com força e o Ibovespa em queda de cerca de 2,5 por cento.

"O momento é de organizar a base, e o mercado reage com mais ou menos ansiedade aos fatos políticos. O ideal é aprovar agora na Câmara e já iniciar o próximo ano discutindo no Senado", disse ele.

Para aprovar a reforma na Câmara são necessários os votos de 308 dos 513 deputados em dois turnos de votações no plenário da Casa. Posteriormente, a Proposta de Emenda à Constituição que muda as regras previdenciárias terá ainda de ser analisada pelo Senado.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade