PUBLICIDADE

Compra da Kopenhagen e da Brasil Cacau pela Nestlé é aprovada por superintendência do Cade

Operação estará aprovada em definitivo pelo órgão em 15 dias caso não haja recurso ou nova análise; segundo decisão, compra não suscita preocupações concorrenciais

9 fev 2024 - 18h13
Compartilhar
Exibir comentários

BRASÍLIA - A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou a operação de aquisição das empresas do Grupo CRM pela Nestlé Brasil. A CRM é dona das marcas Kopenhagen, Chocolates Brasil Cacau e Kop Koffe.

Se o tribunal do órgão não decidir por uma nova análise ou nenhum terceiro interessado recorrer da decisão, a operação estará aprovada em definitivo pelo órgão antitruste no prazo de 15 dias.

Segundo nota divulgada pelo Cade, a área técnica do conselho concluiu que as empresas não teriam capacidade ou incentivos para fechar mercados verticalmente relacionados aos seus negócios e que, por isso, a compra não suscita preocupações concorrenciais.

"A SG (Superintendência-Geral) concluiu que há elementos suficientes para afastar a possibilidade de exercício de poder de mercado pela Nestlé após a operação nos cinco mercados relevantes com sobreposição horizontal", apontou.

Kopenhagen será adquirida pela Nestlé
Kopenhagen será adquirida pela Nestlé
Foto: Divulgação / Kopenhagen / Estadão

O Cade ressaltou que a operação está nos limites estabelecidos no acordo celebrado recentemente entre a Nestlé e o órgão antitruste, assinado como condição para o conselho aprovar a aquisição da Chocolates Garoto pela empresa.

Nele, a Nestlé se comprometeu, pelo período de cinco anos contados da homologação judicial do acordo, "a não adquirir de terceiros quaisquer ativos que representem, acumuladamente, participação de mercado, medida pelo faturamento no ano anterior à cada operação, igual ou superior a 5% do mercado relevante nacional de chocolates".

A aquisição da CRM pela companhia foi fechada em setembro do ano passado. O objetivo é prosseguir com os planos de expansão do grupo e triplicar o número de unidades para 3 mil pontos até 2026. Para isso, deve abrir 2 mil novas unidades.

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade