PUBLICIDADE

Ações da China fecham na mínima em quase dois meses, Hong Kong cai

11 jun 2024 - 07h33
Compartilhar
Exibir comentários

As ações da China encerraram em baixa nesta terça-feira, o primeiro dia de negociação após feriado, com os dois índices principais caindo para seus níveis mais baixos em quase dois meses.

Enquanto isso, as ações de Hong Kong fecharam na mínima de mais de uma semana, pressionadas por dados surpreendentemente robustos sobre o emprego nos Estados Unidos, que provocaram uma redução drástica das apostas de cortes de juros pelo Federal Reserve este ano.

Os investidores agora aguardam os dados de maio sobre crédito da China nesta semana para avaliar a saúde da economia em geral.

Uma pesquisa da Reuters sugeriu que os novos empréstimos em iuanes da China provavelmente se recuperaram em maio em relação a abril, já que o banco central disse aos bancos que acelerassem os empréstimos bancários para sustentar a economia.

O índice de Xangai caiu 0,76%, marcando o fechamento mais fraco desde 23 de abril, enquanto o índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, recuou 0,87%, no nível mais baixo desde 25 de abril.

O índice Hang Seng, de Hong Kong, teve queda de 1,04% e fechou no menor nível de fechamento desde 31 de maio.

. Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 0,25%, a 39.134 pontos.

. Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 1,04%, a 18.176 pontos.

. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,76%, a 3.028 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,87%, a 3.542 pontos.

. Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,15%, a 2.705 pontos.

. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,30%, a 21.792 pontos.

. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,39%, a 3.309 pontos.

. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 1,33%, a 7.755 pontos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade