0

A força da TV: debate com presidenciáveis acordou o Brasil

Repercussão do confronto de candidatos na Band reforçou o poder da televisão

12 ago 2018
14h55
atualizado às 14h56
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Quem acha que a televisão já não tem tanta influência no cotidiano do brasileiro precisa rever essa opinião. O eco do debate realizado na Band, na quinta-feira (9), mostrou sua indiscutível relevância.

Desde aquela transmissão ao vivo de 3 horas e 15 minutos, mais curta apenas do que a interminável cerimônia do Oscar, a imprensa e o País não falam de outro assunto. 

O primeiro dos 9 debates previstos até o primeiro turno, em 7 de outubro, pautou jornais, revistas, portais de notícias, reuniões de partidos, encontros de marqueteiros e as conversas no botequim, no ônibus, no salão de beleza, na sala de aula... O povo, até então desinteressado pela eleição, voltou a discutir política.

O debate rendeu à Band média de 6 pontos de audiência; cerca de 1,2 milhão de telespectadores somente na Grande São Paulo
O debate rendeu à Band média de 6 pontos de audiência; cerca de 1,2 milhão de telespectadores somente na Grande São Paulo
Foto: Kelly Fuzaro / Band

Há quem acredite que a internet (em especial as redes sociais) vai esmagar a TV e será mais relevante no resultado das urnas. Na prática, isso é pouco provável. 

Em um debate ao vivo, como o da Band, não há espaço para manipulação. As regras são definidas e aceitas pela assessoria de todos os candidatos. O resultado depende exclusivamente de quem está enfrentando os adversários diante das câmeras.

Na web, a chance de manipulação é incontestável. A empresa AP/Exata, especializada em análise de big data (grande volume de dados), divulgou que 10% de todas as postagens no Twitter citando candidatos à Presidência durante o debate na Band foram promovidas por robôs. 

Conclui-se que o mesmo pode ter ocorrido em outras plataformas, como o Facebook. As ‘fake news’ são uma praga virtual capaz de enganar o eleitor menos atento. 

Já o telespectador de um debate na TV vê os políticos exatamente como eles são – ou tentam parecer – e tem maior contato com a figura real dos presidenciáveis do que ao consumir textos e vídeos para a internet, cuidadosamente editados por marqueteiros de campanha ou pessoas e grupos interessados em disseminar factoides e mentiras.

O telejornalismo e os debates ainda são uma fonte confiável para o eleitor. A TV pode ter perdido público, mas não perdeu importância.

Veja também

Débora Nascimento tem ajuda dos sogros em 1ª viagem com José Loreto e a filha

 

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade