1 evento ao vivo

Will Smith se junta a boicote e diz que não irá ao Oscar

21 jan 2016
17h11
atualizado às 17h34
  • separator
  • comentários

O ator Will Smith anunciou nesta quinta-feira que não irá à cerimônia de entrega do Oscar, que será realizada em 28 de fevereiro, como protesto pela falta de atores negros entre os candidatos aos prêmios da Academia de Hollywood. "Somos parte desta comunidade, mas, no atual momento, nos sentimos incomodados de estar aí e dizer 'está tudo bem'", disse ele à rede de TV ABC.

Foto: Getty Images

Desde a semana passada, quando foram anunciadas as indicações, nas quais pelo segundo ano consecutivo não há atores negros, choveram hashtags nas redes sociais como #OscarsStillSoWhite (#OscarAindaMuitoBranco). Ao todo, 20 homens e mulheres brancos disputam nas categorias de atuação.

Além dele, o diretor Spike Lee também disse que não participará da premiação e foi apoiado por Idris Elba, George Clooney, Lupita Nyong'o, Mark Ruffalo, entre outros. A esposa de Smith, a atriz Jada Pinkett Smith, foi uma das primeiras vozes a se manifestar contra a falta de candidatos negros.

"Acredito que a diversidade é o superpoder americano. Acredito que tenho que proteger e lutar por esses ideais que engrandecem nosso país e a comunidade de Hollywood", afirmou Smith, que foi candidato este ano ao Globo de Ouro como melhor ator dramático pelo filme "Um Homem Entre Gigantes" (previsto para estrear em março no Brasil), mas que não foi indicado ao Oscar.

Na entrevista, ele enfatizou a responsabilidade que eles têm dentro da comunidade negra e afirmou que se não são "parte da solução", serão então "parte do problema".

No último fim de semana, a presidente da Academia de Hollywood, Cheryl Boone Isaacs, reagiu à falta de diversidade mostrada pelas indicações nas últimas duas edições com a promessa de "grandes mudanças".

"Eu gostaria de reconhecer o magnífico trabalho dos indicados deste ano. Ao mesmo tempo em que comemoramos suas extraordinárias conquistas, me sinto aflita e frustrada pela falta de inclusão. É um tema de conversa difícil, mas importante, e é hora de grandes mudanças", disse.

Cheryl Boone Isaacs, que é afro-americana, afirmou que a Academia vai tomar "medidas drásticas para modificar a composição dos membros" e prometeu "uma diversidade muito necessária" nos próximos anos. De acordo com um levantamento do jornal Los Angeles Times

, 93% dos acadêmicos são brancos, 76% são homens e a idade média é de 63 anos.

EFE   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade