PUBLICIDADE

Mães são as primeiras com nomes nos registros das filhas em MG

Certidões de nascimento de meninas adotadas têm os nomes do casal de mães de Uberlândia. São as primeiras da cidade

12 mai 2024 - 07h48
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
Há dez anos, um casal formado por duas mulheres de um conjunto habitacional de Uberlândia (MG) tornou-se o primeiro a ter seus nomes na certidão de nascimento das filhas adotadas. A criança chegou para a nova família exatamente nove meses depois do início do processo. A adoção da segunda filha também é cheia de coincidências, como um Dia das Mães no aniversário de uma delas.
Família de quatro mulheres em Uberlândia, Minas Gerais. Filhas adotivas têm o nome das duas mães nos documentos
Família de quatro mulheres em Uberlândia, Minas Gerais. Filhas adotivas têm o nome das duas mães nos documentos
Foto: Arquivo pessoal

“Nossa vida é normal, de trabalhar, tentar manter as meninas, educar da melhor forma, levar para a escola e buscar. De vez em quando, elas discutem, igual todo mundo”. Se o cotidiano da família formada por um casal de mulheres de Uberlândia é comum, há pelo menos uma diferença: elas são as primeiras na cidade a terem os nomes nas certidões de nascimento das filhas adotadas.

Nos documentos das meninas não há distinção de filiação paterna e materna, mas simplesmente “filiação”, com os nomes de Andrea Rocha Alves e Maria Luciene Simão, autora da declaração que abre esta história. A conquista está completando dez anos.

As adoções do casal começaram quando elas moravam no bairro Luizote de Freitas III, um dos conjuntos habitacionais inaugurados há 43 anos na zona oeste de Uberlândia (MG). Andrea e Luciene tinham vontade de adotar. Andrea tinha tentado anteriormente, mas desistiu para cuidar da mãe doente.

Bairro Luizote de Freitas é formado por conjuntos habitacionais em Uberlândia. Casal morava no bairro quando adotou primeira filha
Bairro Luizote de Freitas é formado por conjuntos habitacionais em Uberlândia. Casal morava no bairro quando adotou primeira filha
Foto: Patrick Queiroz Ferreira

Como gestação, adoção em nove meses

Em 2013, o casal deu início à papelada de adoção. “Passaram-se nove meses certinho, quando recebi a ligação. O telefone tocou, era do Fórum, avisando que havia uma criança para adoção. Eu perguntei se podia buscar na mesma hora”. Era final de ano, e os trabalhos do Judiciário entram em recesso.

O casal aproveita para decorar o quarto da filha que viria. Em janeiro de 2014, com a volta das atividades no Fórum de Uberlândia, começaram as entrevistas e as visitas à criança. “Quando pegamos ela, estava com dois anos e sete meses”.

A criança veio para a nova casa na sexta-feira antes do Carnaval de 2014. “Quase briguei no Fórum, porque no Carnaval, fechava o abrigo, eu queria pegar antes”, conta Luciene.

Entre 2013 e 2014, casal veio ao Fórum de Uberlândia várias vezes resolver a adoção. Conseguiu um dia antes do Carnaval
Entre 2013 e 2014, casal veio ao Fórum de Uberlândia várias vezes resolver a adoção. Conseguiu um dia antes do Carnaval
Foto: Marcelo Albert/TJMG

Duas mães na certidão de nascimento

Até fazer os novos documentos da filha adotada, o casal de Uberlândia não pensava em colocar seus nomes na Certidão de Nascimento e demais documentos de Yanne Rocha Alves Simão. “No começo, eu nem sabia que podia ser no nome das duas”, diz Luciene.

No cartório, descobriram não só que poderiam constar como mães, as duas, como também souberam que seria o primeiro caso na cidade, considerando casais femininos e masculinos. Sem titubear, realizam o gesto pioneiro em Uberlândia. A filha adotada, uma criança negra, tem 12 anos.

Letra inicial do nome, sinal definitivo

Em 2016, Luciene conversava por telefone com uma instituição de adoção. Comentou, de passagem, o desejo de adotar a segunda criança e, do outro lado da linha, alguém anotou seus dados. No outro dia, informaram que havia alguém com o perfil desejado pelas mães, na cidade de Unaí (MG).

Segunda filha foi adotada em Unaí, também em Minas Gerais. Família não mediu esforços para buscar quarta componente
Segunda filha foi adotada em Unaí, também em Minas Gerais. Família não mediu esforços para buscar quarta componente
Foto: Prefeitura Municipal de Unaí

A criança tinha sete anos e o processo de adoção precisava ser agilizado. “Quando a assistente social começou a passar os dados da criança, falou que era Yasmin, o nome começa com y, igual ao da nossa primeira filha. Eu me arrepiei toda e falei ‘é minha filha’”, conta Luciene.

O casal de mães e a primeira filha adotada foram de carro, numa viagem confusa e cansativa, conhecer aquela que seria a quarta componente da família. Chegaram ao abrigo com 22 crianças, mas Yasmin dormia.

Dia das mães junto com aniversário

“Ficamos brincando com as outras crianças. Eu estava de costas e escutei uma funcionária falando ‘Yasmin, senta aqui’. Quando eu virei, vi que ela parecia demais com sobrinha da Andrea, minha esposa. Não precisava de mais nada. Era para ficar uma hora no abrigo, acabamos ficando três”, lembra Luciene.

Família feliz vai comemorar o Dia das Mães em casa, em Uberlândia, com um “almoço melhorzinho”
Família feliz vai comemorar o Dia das Mães em casa, em Uberlândia, com um “almoço melhorzinho”
Foto: Arquivo pessoal

O casal foi três vezes a Unaí. Em maio de 2016, uma ocasião especial. Passaram o dia das mães juntas e era aniversário de Luciene. Nascida em 8 de maio, as datas coincidiram. Por falar em dia das mães, como será a comemoração das quatro mulheres neste ano?

“Vamos ficar em casa, não faremos nada de especial, só um almoço melhorzinho”, diz Luciene, modestamente mineira.

Fonte: Visão do Corre
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade