PUBLICIDADE

5 ilhas do Brasil que você não conhece (e nem vai conhecer)

Veja 5 lugares paradisíacos com acesso proibido para visitantes

17 nov 2023 - 07h10
(atualizado às 10h00)
Compartilhar
Exibir comentários

São destinos perfeitas para férias dos sonhos. Tem praias selvagens em áreas isoladas do Atlântico, piscinas naturais rodeadas por recifes de corais e abundância de animais endêmicos.

Ficou com vontade de conhecer? Vai ficar querendo.

Neste post, o Viagem em Pauta listou cinco endereços brasileiros paradisíacos com acesso proibido para visitantes (para a sorte dessas áreas preservadas e isoladas).

Mas não seria nada mal mergulhar no Atol das Rocas, a primeira unidade de conservação marinha do Brasil; visitar praias selvagens do destino mais distante do Brasil, a 2.400 km da África; ou explorar território por onde já passou nomes conhecidos da navegação mundial como Charles Darwin e Ernest Shackleton.

E que continuem assim, pedaços isolados de um Brasil selvagem que pouca gente vai poder visitar.

Ilha da Queimada Grande
Ilha da Queimada Grande
Foto: Marinha do Brasil / Viagem em Pauta

Ilha da Queimada Grande

Nem se pudesse, você ia querer visitar essa ilha.

Conhecido como a 'Ilha das Cobras', esse pedaço de terra a 35 quilômetros da costa de Itanhaém, no litoral de São Paulo, é dominado por jararacas-ilhoa, cujo desembarque é proibido não só pela falta de praias ou enseadas, mas também por abrigar 15 mil cobras venenosas, em uma área de 1.500 x 500 m².

E as descrições são assustadoras.

Por que Fernando de Noronha era conhecida como a 'Ilha Maldita'? Por que Fernando de Noronha era conhecida como a 'Ilha Maldita'?

De coloração clara, essa espécie atinge até dois metros de comprimento e está presa em uma ilha rochosa onde o alimento se resume a aves, daí a habilidade de subir em árvores. Sua picada pode matar uma pessoa em apenas seis horas.

É por esses motivos que por ali passam apenas cientistas e mergulhadores, cuja visibilidade local atinge pode chegar a 20 metros, de novembro a julho, e os locais garantem que as cobras não aprenderam a nadar (ainda).

Ilha de Alcatrazes

(São Sebastião/São Paulo)

A 45 km do continente, no litoral norte paulista, essa é a única das ilhas proibidas desse post que tem acesso público liberado, por mar e sem desembarque em terra.

Formado por 13 ilhas e ilhotas, o arquipélago de Alcatrazes é considerado o maior berçário de aves marinhas do sudeste brasileiro e abriga espécies como a jararaca-de-alcatrazes e a perereca-de-alcatrazes, que só existem na região.

De 1980 a 2013, o paredão de rochas da ilha principal era usado como raia de tiros da Marinha brasileira.

Foto: Wikimedia Commons / Viagem em Pauta

Arquipélago de São Pedro e São Paulo

(Pernambuco)

A quase mil quilômetros do ponto mais próximo do continente, esse arquipélago é o único conjunto de ilhas oceânicas brasileiras acima da linha do Equador e é considerado um dos lugares mais distantes do Brasil.

Por ali passaram nomes conhecidos da navegação mundial como Charles Darwin, em sua viagem ao redor do mundo, em 1832, e Ernest Shackleton, em 1921. Além dos poucos humanos a passarem por aquelas ilhas, o local é habitado por aves como atobás e viuvinhas, caranguejos, tubarões-baleia e arraias jamanta.

Arquipélago de São Pedro e São Paulo
Arquipélago de São Pedro e São Paulo
Foto: Wikimedia Commons / Viagem em Pauta

Trindade e Martim Vaz

(Espírito Santo)

Essas ilhas estão a pouco mais de 1.100 km do continente, isolados no Atlântico, e pertencem ao município de Vitória.

Com natureza selvagem, no sentido mais literal da expressão, o arquipélago é considerado o destino mais distante do território brasileiro. Só para ter uma ideia, a África está a 2.400 km dali.

Nesta espécie de Ilha de Lost brasileira, a biodiversidade abriga espécies endêmicas como o caranguejo-amarelo, pardela-de-trindade, uma subespécie de fragata, e bosques de samambaias gigantes com mais de cinco metros.

Atualmente, apenas a Ilha da Trindade é habitada e serve como base militar da Marinha.

Trindade
Trindade
Foto: Wikimedia Commons / Viagem em Pauta

Atol das Rocas

(Rio Grande do Norte)

Primeira unidade de conservação marinha criada no Brasil, em 1979, esse atol é formado por um anel de arrecifes com 7,2 km² de superfície e 3,2 km de diâmetro, em uma área preservada de 360 km², incluindo o atol e toda a área marinha ao redor.

Segundo o Projeto Tamar, esta é a segunda maior área de reprodução da tartaruga-verde do país e abriga também espécies como a tartaruga-de-pente, cujos estudos são facilitados pelas piscinas naturais de águas cristalinas e abrigadas.

O atol, Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO, está a 267 km de Natal e a 148 km a oeste do arquipélago de Fernando de Noronha.

Atol das Rocas
Atol das Rocas
Foto: Wikimedia Commons / Viagem em Pauta
Viagem em Pauta
Compartilhar
Publicidade
Publicidade