PUBLICIDADE

Zika e dengue podem afetar 1 bilhão com aquecimento global

Doenças transmitidas por mosquitos podem atingir até um bilhão de pessoas, inclusive na América do Norte e na Europa

28 mar 2019 20h16
| atualizado às 20h34
ver comentários
Publicidade

Até um bilhão de pessoas - incluindo muitas na América do Norte e na Europa - podem ser expostas a vírus transmitidos por mosquitos, como a dengue e a Zika, até 2080 se as temperaturas continuarem a subir nas taxas atuais, disseram pesquisadores nesta quinta-feira.

Prevenir essa expansão de doenças potencialmente fatais exigirá não apenas a vigilância de autoridades de saúde, mas ações rápidas para reduzir a mudança climática e limitar o aquecimento global, disseram.

Mosquito Aedes Aegypt
Mosquito Aedes Aegypt
Foto: Pabst_ell / iStock

A expansão de vírus transmitidos por mosquitos pode "causar perda de produtividade no trabalho, coisas do tipo. Isso levará a declínio econômico nas áreas em que acontecer", disse Sadie Ryan, autora principal do estudo, publicado nesta quinta-feira na revista científica PLOS Neglected Tropical Diseases.

A análise monitorou o movimento previsto de dois dos mais comuns mosquitos transmissores de doenças, o Aedes aegypti e o Aedes albopictus, ao analisar previsões de temperaturas futuras para estimar os riscos até 2050 e até 2080.

Os mosquitos podem carregar vírus incluindo o da dengue, chikungunya e Zika, que podem ser fatais ou causar outros tipos de consequencias debilitantes.

Ainda não existem vacinas para Zika ou chikungunya, e apenas algumas estão em teste para dengue, disse Colin Carlson, outro autor principal da análise.

"No geral, é muito mais fácil para nós impedir que os mosquitos ou os vírus apareçam em algum lugar do que impedir uma epidemia, uma vez que ela já tenha começado", afirmou.

Veja também:

Moradores de cidade alemã são embrulhados com palha para o 'Dia do Urso de Palha':
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade