PUBLICIDADE

Teste Covid: PCR ou antígeno, qual é o mais indicado para o seu caso? Entenda

Infectologista esclarece as principais dúvidas do assunto e revela como funciona cada exame. Saiba mais sobre o teste de Covid

13 jan 2022 11h02
ver comentários
Publicidade
Busca por "Teste Covid", no Google, cresceu nos últimos dias
Busca por "Teste Covid", no Google, cresceu nos últimos dias
Foto: Shutterstock / Saúde em Dia

A busca pela expressão "teste Covid" vive um crescimento repentino e acelerado no Google. Fator que indica um possível aumento dos casos de Covid-19 e doenças respiratórias nas últimas semanas, aqui no Brasil. O motivo, provavelmente, é a disseminação da variante Ômicron do coronavírus, já que, entre outros fatores - como o relaxamento das medidas de segurança - demonstra uma capacidade maior de contágio do que as outras cepas.

No entanto - e graças às vacinas - o número de mortes por Covid-19 segue controlado e não acompanha o de novos casos. Mesmo assim, pessoas imunizadas, apesar de terem uma chance menor de desenvolver a versão grave da doença, ainda podem apresentar sintomas mais leves, que causam desconforto e preocupação. E é por isso que a busca por "teste Covid" cresceu nos últimos dias.

PCR e antígeno: entenda a diferença entre os testes de Covid-19

Ao procurar por um teste de Covid, as pessoas costumam se deparar com as duas principais opções: o PCR e o antígeno. Logo após, vem uma série de dúvidas. Afinal, qual é o mais eficaz? Qual fica pronto mais rápido? Qual é o mais indicado para o meu caso? Para responder essas e outras perguntas, conversamos com o médico infectologista, Dr. Bernardo Almeida.

"Ambos identificam partes do vírus. O antígeno identifica uma proteína, enquanto o PCR o material genético. A diferença principal é que o PCR persiste positivo por um tempo mais longo, mesmo passado o período de transmissibilidade de sete a 10 dias, enquanto o antígeno identifica o indivíduo com infecção no período de transmissibilidade", explica.

Ou seja, se você teve Covid nos últimos dias, mas, já está recuperado e ultrapassou o período de maior transmissão do vírus - de sete a 10 dias - é possível que, ao realizar um teste de PCR, o resultado ainda seja positivo.

Já o teste antígeno tem características diferentes. "É um exame mais barato e facilmente escalável, pois não depende de equipe técnica especializada e grandes equipamentos, itens necessários para o PCR. O tempo de resultado de um teste de antígeno é de 15 minutos, enquanto o PCR demora entre 24h e 48h na maioria das situações, chegando a mais de 72h em locais mais distantes", completa o Dr. Almeida.

"O PCR é um ótimo exame para identificar casos, mesmo após passado o período de transmissibilidade. O antígeno é um ótimo exame para identificar casos no período de transmissibilidade", Dr. Bernardo Almeida.

Dessa maneira, na opinião do médico, os dois testes são seguros, eficazes e cumprem aquilo que prometem. No entanto, ele acredita que o antígeno é mais relevante dentro de uma estratégia de saúde pública. Pois, além de ter um custo menor, também é veloz e, portanto, reduz com maior eficiência o "subdiagnóstico" e a transmissibilidade.

O momento certo de testar

Com o aumento da variante Ômicron no Brasil, alguns cuidados na hora de realizar o teste de Covid precisam ser tomados, para que o resultado seja o correto.

"Por ter um período de incubação mais curto, o início da transmissibilidade [da Ômicron] ocorre um pouco antes de ter uma quantidade de vírus suficiente para ser identificado pelos exames. A tendência é que, para o caso sintomático, se aguarde 24h para realizar o teste de antígeno. O PCR consegue identificar um pouco antes, mas, ainda assim, é prudente aguardar 24h para se atingir a máxima sensibilidade do método", alerta o infectologista.

Testar continua fundamental para controlar a pandemia

"Há a perspectiva de que a variante Ômicron irá gerar um pico de casos sem precedentes. O teste, se entregar resultado em tempo oportuno, permite o isolamento de casos antes que transmitam o vírus. Em contexto de alta circulação viral é uma estratégia comprovadamente eficaz para reduzir o impacto da pandemia e, por isso, é indicada pela OMS (Organização Mundial de Saúde)", finaliza o Dr. Almeida.

Saúde em Dia
Publicidade
Publicidade