Castanha-do-pará ajuda a combater cárie

24 jul 2013
07h14
atualizado às 07h14
  • separator

A castanha-do-pará com toda sua gama de benefícios já caiu no gosto popular há algum tempo. Além de retardar o envelhecimento, a oleaginosa é aliada da saúde bucal. Um estudo feito pela dentista Cintia Filogônio na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais mostrou que a adição de 10% de óleo de castanha-do-pará ou de um óleo mineral (parafina líquida) à composição das pastas de dente comerciais pode prevenir cárie e doenças periodontais.

Um estudo feito pela dentista Cintia Filogônio na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais mostrou que a adição de 10% de óleo de castanha-do-pará ou de um óleo mineral (parafina líquida) à composição das pastas de dente comerciais pode prevenir cárie e doenças periodontais
Um estudo feito pela dentista Cintia Filogônio na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais mostrou que a adição de 10% de óleo de castanha-do-pará ou de um óleo mineral (parafina líquida) à composição das pastas de dente comerciais pode prevenir cárie e doenças periodontais
Foto: Shutterstock

Durante três meses, 30 pessoas usaram três tipos de pastas com formulação diferente. Um grupo escovou os dentes com um creme dental disponível no mercado, sem qualquer alteração na fórmula. Outro usou a mesma pasta com óleo de castanha e um terceiro experimentou o produto com óleo mineral.

A conclusão foi que as versões com óleo mineral e com óleo da castanha-do-pará fortaleceu a barreira que protege os dentes das bactérias que formam o biofilme dental, que aumenta a incidência de cárie e gengivite. "Os óleos ajudam a formar uma película sobre os dentes, reduzindo a capacidade de as bactérias grudarem neles", explica Cintia. 

Enxaguantes bucais
O estudo também conclui que os óleos essenciais — obtidos de fonte mineral e vegetal — contidos em enxaguantes bucais proporcionam benefícios significativos quando aliados à escovação. Eles foram considerados, inclusive, tão eficazes na redução dos micro-organismos que ficam entre os dentes quanto o uso isolado do fio dental. Ainda assim, não é possível sugerir que seja feita essa substituição.

Bochechos com óleos essenciais uma ou duas vezes ao dia demonstraram mais reduções, após 14 dias de uso, na permanência dos efeitos de redução de micro-organismos na boca. Os enxaguantes antiplacas e antigengivites contendo os óleos também tiveram efeito antimicrobiano, comprovando que o controle do biofilme da gengiva influencia na progressão da periodontite. 

A pesquisa também cita que, como a halitose também está associada ao biofilme dental, os óleos essenciais reduzem o nível de odor por períodos de até duas horas.

Fonte: Agência Beta Este conteúdo é de propriedade intelectual do Terra e fica proibido o uso sem prévia autorização. Todos os direitos reservados. Fonte: Terra
publicidade