PUBLICIDADE

Mulheres grávidas podem ‘treinar pesado’, como Leandra Leal?

Gestantes precisam considerar alguns fatores antes de continuar sua rotina de treino durante a gravidez

27 mar 2024 - 15h26
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
A atriz Leandra Leal chamou atenção nas redes sociais. Segundo obstetra, a prática de atividade física durante a gestação não é proibida desde que seja seguidas medidas de segurança adequadas.
Foto: Márcia Piovesan

Um vídeo da atriz Leandra Leal, grávida de 18 semanas, levantando peso durante seu treino, chamou a atenção nas redes sociais no início desta semana. Na publicação, a atriz de 41 anos tranquilizou os fãs e disse que além de já praticar o exercício antes da gestação, tem liberação médica para realizá-lo.

Grávida pode treinar pesado na academia?

O Terra conversou com a médica obstetra Erica Mantelli sobre a rotina de treino e exercícios físicos das mamães que não abrem mão de manter o corpo ativo durante a gestação. 

A especialista explica que não existem proibições para as mulheres se exercitarem durante a gravidez, desde que a gravidez esteja sendo muito bem acompanhada durante o pré-natal e que a mulher não apresente nenhuma contraindicação à atividade física. 

As gestantes, principalmente as que já treinavam antes da gestação, podem e devem continuar fazendo atividade física durante a gravidez inteira e até mesmo no dia do parto. 

“Inclusive, gestantes acima de 40 semanas ou após 39 semanas que desejam estimular de maneira natural o trabalho de parto, uma das dicas é realmente manter atividade física ainda mais frequente nessa fase, porque isso vai ajudar esses estímulos naturais para ela entrar em trabalho de parto de maneira espontânea”, diz a obstetra.

No entanto, exercícios que podem ter um risco elevado de queda, como por exemplo andar a cavalo, fazer escalada, esquiar, saltar de paraquedas ou esportes de muito impacto, não são indicados pela médica.

Exercícios em que a frequência cardíaca fique elevada durante muito tempo, como por exemplo o jump, spinning em altíssima velocidade ou um treino muito pesado, com uma carga muito elevada, também não  são recomendados. A médica explica que o risco de torção e de queda é muito intenso e, por isso, é bom evitar.

Para as gestantes que já praticavam exercícios mais pesados,como CrossFit, ou até mesmo treino intenso de musculação, o mais importante é prestar atenção com o peso e a postura dos exercícios. 

“Com a gravidez, conforme o útero vai crescendo, há um deslocamento do eixo gravitacional da mulher. Então ela tem sim uma mudança na sua postura, ela tem uma lordose mais acentuada, então tem que adequar tanto às posições quanto o peso para cada fase de dado gestacional”, explica Mantelli. 

Entre os principais cuidados e melhores alternativas para gestantes que desejam continuar a rotina de exercícios estão: 

  • Sempre ter um profissional acompanhando;
  • Usar o calçado adequado;
  • Se hidratar constantemente;
  • Não fazer atividade física em jejum completo;
  • Não usar estimulantes à base de cafeína, diuréticos e termogênicos;
  • Consultar um nutricionista e um obstetra;
  • Prestar atenção no solo para evitar escorregões e possíveis traumas;
  • Evitar esportes de impacto na praia, onde o terreno é irregular;
  • Evitar locais com pouca circulação de ar.

A obstetra destaca que todas as articulações no organismo da mulher gestante ficam mais afrouxadas por conta de hormônios, e esses hormônios acabam levando a uma frouxidão ligamentar, aumentando a chance de torção. 

“Essa variação que ocorre nessa fase, ela é importante para o trabalho de parto, até para acomodar melhor esse bebê na pelve, para ter uma abertura maior da pelve. Porém existe uma frouxidão ligamentar em todo o corpo, aumentando o risco de torções”, alerta a profissional. 

A médica ressalta que se a gestação não apresenta contraindicações da atividade física, toda grávida deve realizar, pois os benefícios da prática são essenciais para uma boa gestação Entre eles se destacam: 

  • Controle dos níveis de glicemia;
  • Melhora do metabolismo;
  • Diminuição da resistência insulínica;
  • Diminuição do risco de patologias e gestação de alto risco;
  • Evitar os inchaços e ajudar a circulação sanguínea;
  • Melhora do funcionamento intestinal; 
  • Melhora do sono;
  • Controle de ansiedade e estresse.

“Então, a atividade física é muito bem-vinda, desde que seja feita com o acompanhamento e com atenção especial, principalmente relacionado com a segurança da gestante”, conclui a especialista.

O que gestantes precisam saber sobre a dengue O que gestantes precisam saber sobre a dengue

Fonte: Redação Terra Você
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade