3 eventos ao vivo

Governo endurece quarentena em 7 regiões de São Paulo

Seis áreas do Estado foram para a fase laranja e Marília voltou para a fase vermelha; Baixada Santista também continua na fase amarela

15 jan 2021
13h01
atualizado às 13h03
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Diante da disparada de novos casos de covid-19 no Estado de São Paulo, o Centro de Contigência do Coronavírus decidiu regredir cinco regiões para a fase laranja, a segunda mais restritiva com relação às atividades econômicas, e colocar a região de Marília na fase vermelha, a mais crítica, em que só serviços essenciais se mantém abertos.

O aumento de casos fez com que o governo antecipasse a reclassificação das cidades nas regras do Plano São Paulo, que coordena a quarentena em São Paulo. A reclassificação deveria ocorrer apenas no próximo dia 5. Os detalhes estão sendo divulgados na tarde desta sexta-feira pelo governador João Doria (PSDB). "A situação vem se agravando a cada semana", disse o governador.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes 
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes
Foto: Divulgação / Governo do Estado de SP / Estadão Conteúdo

As regiões de Registro, Sorocaba e Presidente Prudente já estavam na fase laranja. A esta fase, foram acrescentadas as regiões de Araçatuba, Bauru, Franca, São José do Rio Preto, Piracicaba e Taubaté.

Na capital, mesmo com relatos de aumento na taxa de ocupação dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (como na Santa Casa de Misericórdia, na Santa Cecília, região central), o Estado manteve a classificação como amarela, que permite abertura em horários maiores para o comércio, serviços, academias e cinemas.

Vacinas

O governo anunciou, ainda, o envio das primeiras 4,5 milhões de doses da vacina Coronavac para o Ministério da Saúde, para a distribuição nos demais Estados do País.

(A reportagem está em atualização)

Veja também:

Venezuela: os trabalhadores da saúde com salários de US$ 4 por mês e sem equipamentos de proteção
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade