0

Doria propõe antecipar para próxima 2ª feriado de 9 de julho

Estado articula ainda antecipação de feriados com as prefeituras paulistas; em SP, Covas quer antecipar para 26 e 27 de maio dois feriados

18 mai 2020
13h00
atualizado às 13h20
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O governador de São Paulo, João Doria (PDSB), envia nesta segunda-feira, 18, projeto de lei para a Assembleia Legislativa para antecipar o feriado de 9 de Julho, que cairia em uma quinta-feira, para a próxima segunda-feira, 25. A ideia é fazer com que as pessoas fiquem em casa, aumentando o isolamento social.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, também anunciou a antecipação de dois feriados municipais para os dias 26 e 27 de maio. No dia 28, sexta-feira, seria ponto facultativo. 

Governador João Doria utiliza máscara durante coletiva em São Paulo
Governador João Doria utiliza máscara durante coletiva em São Paulo
Foto: Francisco Cepeda / Estadão Conteúdo

"Também nós vamos recomendar que prefeitos de outros municípios da região metropolitana do interior do Estado de São Paulo e do litoral possam igualmente avaliar com as suas câmaras municipais a antecipação de feriados municipais para os dias que sucedem a esses feriados aqui de São Paulo, ou seja, dias 26 e 27 de maio, quarta e quinta-feira da próxima semana", disse Covas

A medida segue proposta apresentada pelo prefeito da capital, Bruno Covas (PSDB) no domingo, e que deve ser votada nesta segunda-feira pela Câmara Municipal. Assim, no lugar de um lockdown, o Estado teria três feriados na semana que vem, com dois dias para serem emendados.

"É muito importante que a população de São Paulo compreenda a importância do isolamento social. Quanto maior for o isolamento social, maiores as chances de superarmos a fase mais dura da quarentena", disse Doria.

A medida anunciada na capital ocorreu quando Covas decidiu suspender o mega rodízio, de 50% da frota, e voltou com o rodízio municipal de veículos tradicional. A Prefeitura já conta 90% de lotação de suas vagas em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs).

Veja também:

Venezuela: os trabalhadores da saúde com salários de US$ 4 por mês e sem equipamentos de proteção
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade