PUBLICIDADE

Colesterol bom e ruim precisa estar equilibrado para sua saúde

Os dois tipos de colesterol, LDL e HDL, tem propriedades específicas e são fatores de risco para distúrbios e doenças cardiovasculares

12 mai 2024 - 06h25
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
O excesso de colesterol no sangue aumenta significativamente o risco de doenças cardiovasculares, assim como a faixa etária de crianças e adolescentes brasileiros já correm esse risco devido a sua dieta rica em alimentos gordurosos.
Foto: Adobe Stock

O estilo de vida cada vez mais sedentário com uma dieta rica em alimentos gordurosos é um dos grandes fatores para que cerca de 40% dos adultos no Brasil tenham um diagnóstico de colesterol alto, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). O excesso de colesterol no organismo pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares, como infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC) e doença arterial periférica, e também já ameaça a saúde de 27,4% de crianças e adolescentes brasileiros, segundo estudos da UFMG.

Os riscos de ter colesterol alto no sangue incluem um aumento significativo do risco de doenças cardiovasculares, como a doença arterial coronariana, que pode levar a angina (dor no peito) e até mesmo a um ataque cardíaco. Além disso, o colesterol elevado está associado a um maior risco de acidente vascular cerebral (AVC), doença arterial periférica, doença arterial renal e disfunção erétIl em homens.

“É fundamental controlar os níveis de colesterol por meio de uma dieta equilibrada, exercícios regulares, evitando o tabagismo e o consumo excessivo de álcool, além de realizar exames periódicos para monitorar a saúde cardiovascular, incluindo crianças e jovens, uma faixa etária suscetível ao alto consumo de alimentos industrializados e com alto teor de gordura”, explica o cardiologista Luiz Guilherme Velloso, da rede de hospitais São Camilo de São Paulo, e também professor de cardiologia do Centro Universitário São Camilo.

Herança genética

O colesterol alto também pode ter relação com herança genética, como é o caso da Hipercolesterolemia Familiar (HF), que impede o fígado de remover o excesso de Lipoproteínas de baixa densidade, o LDL, popularmente conhecido como colesterol "ruim". Não costuma apresentar sintomas específicos. 

“O colesterol elevado não provoca sintomas, mesmo quando está muito alto, o que o transforma em um fator de risco especialmente perigoso”, comenta o especialista. 

A elevação do colesterol só causa sintomas quando as artérias já estão obstruídas.

O colesterol deixa de ser saudável quando o nível no sangue é superior a 200 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl) em adultos. Um nível de colesterol total inferior a 200 mg/dl é desejável, mas muitas pessoas se beneficiam ao manterem níveis de lipídios ainda mais baixos.

Colesterol bom e ruim

Observar o nível de colesterol ruim é mais importante do que o nível de colesterol total. Um nível elevado de colesterol LDL aumenta o risco de aterosclerose, enquanto a presença de níveis elevados de Lipoproteínas de alta densidade (HDL), chamado de colesterol “bom", pode trazer maior proteção contra a obstrução das artérias. 

Por outro lado, a presença de um nível baixo de colesterol HDL (inferior a 40 mg/dl) também está associada a um risco aumentado de aterosclerose. O risco de um ataque cardíaco é mais que duas vezes maior quando o nível de colesterol total se aproxima de 300 mg/dl.

“É importante ressaltar que o colesterol em si não é danoso, mas sim um lipídio essencial na formação da membrana de todas as células do corpo. O LDL e o HDL devem estar equilibrados, dentro de suas faixas de normalidade. Com um estilo de vida saudável, e, em alguns casos, com a ajuda de medicamentos como as estatinas, é possível controlar o colesterol e ter qualidade de vida”, conclui Velloso.

(*) HOMEWORK inspira transformação no mundo do trabalho, nos negócios, na sociedade. É criação da Compasso, agência de conteúdo e conexão.

Homework Homework
Compartilhar
Publicidade
Publicidade