PUBLICIDADE

Câncer na tireoide: entenda a doença de Helô Pinheiro

Ex-BBB Carla Diaz também foi alvo de nódulo na tireoide em 2020 e especialista esclarece como esse câncer aparece

23 jul 2021 16h43
ver comentários
Publicidade
Mãe de Tici Pinheiro divulgou recentemente que está com câncer na tireoide
Mãe de Tici Pinheiro divulgou recentemente que está com câncer na tireoide
Foto: Instagram: @helopinheiro1 / Saúde em Dia

A Helô Pinheiro (76), ex-modelo conhecida como a eterna Garota de Ipanema e mãe de Tici Pinheiro divulgou recentemente que está com câncer na tireoide e precisou passar por cirurgia. Além dela, em dezembro de 2020, a atriz e ex-BBB Carla Diaz (30) passou por um procedimento semelhante, o que acaba trazendo dúvidas as pessoas.

Crédito: Instagram: @ carladiaz
Crédito: Instagram: @ carladiaz
Foto: Saúde em Dia

Para entender sobre o assunto, o Dr. Lucio Henrique, endocrinologista do Hospital São Lucas Copacabana esclareceu algumas dúvidas sobre o assunto. "Esse tipo de câncer é mais comum em pessoas com idade superior a 40 anos, histórico da doença na família e a grande exposição à radiação na região do pescoço, durante a infância ou adolescência.

"O câncer de tireoide é mais comum nas mulheres, no entanto, em homens com menos de 20 anos ou mais de 70 anos, a evolução da doença é se torna ainda mais agressiva. Por isso, o ideal é evitar tabagismo, controlar o peso, evitar radiação no pescoço e manter hábitos de vida saudáveis", esclarece o endocrinologista.

O especialista destaca que esse tipo de tumor, quando diagnosticado precocemente apresenta um índice de cura bem mais alto do que os outros. No subtipo papilífero, a taxa de cura chega a 100%. Já o folicular, próximo de 95% e medular 90%. O mais difícil de tratar é o subtipo anaplástico, felizmente é muito raro, cerca de 1% dos cânceres de tireoide.

Na maioria dos casos, a opção de tratamento é por meio da cirurgia. Logo após, com a análise da biópsia e avaliação do pescoço por exames de imagem, é observado também se precisa ou não fazer sessões de radioterapia e quimioterapia, mas geralmente essas duas últimas opções não são necessárias.

Vale ressaltar que antes de qualquer decisão é necessário procurar um especialista para acompanhar o caso.

Consultoria: Dr. Lucio Henrique, endocrinologista do Hospital São Lucas Copacabana esclareceu algumas dúvidas sobre o assunto.

Saúde em Dia
Publicidade
Publicidade