2 eventos ao vivo

Butantan diz que vai entregar CoronaVac ao governo federal assim que receber aval da Anvisa

Pedido foi feito pelo ministério após Índia ter informado que não vai liberar 2 milhões de doses de imunizante de Oxford

15 jan 2021
22h12
atualizado em 18/1/2021 às 15h36
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O Instituto Butantã informou nesta sexta-feira, 15, que entregará a totalidade de doses de vacinas requeridas pelo governo federal assim que receber autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O ofício é uma resposta ao Ministério da Saúde, que cobrou a entrega "imediata" de seis milhões de doses da Coronavac, produzidas pelo Butantã, em parceria com a chinesa Sinovac.

O pedido foi feito pelo governo federal após a Índia ter informado que não vai atender ao pedido de liberação de dois milhões de doses de vacinas da AstraZeneca/Oxford. O Ministério da Saúde contava com esses imunizantes para começar a vacinação contra a covid-19 em 20 de janeiro.

"Entregaremos a totalidade das doses requeridas; e solicitamos que V. Senhoria nos informe o quantitativo a ser destinado ao Estado de São Paulo para que o mesmo seja entregue imediatamente ao CDL-SES-SP como de praxe para as demais vacinas produzidas pelo Instituto Butantan", diz o ofício.

"Por fim, ressaltamos que a disponibilização deverá ocorrer tão logo seja concedida a autorização pela agência reguladora", acrescenta o documento. A Anvisa deve decidir no domingo, 17, se libera o uso emergencial da Coronavac e da vacina de Oxford. Até lá, estes imunizantes deveriam ficar sob guarda do Butantan e da Fiocruz.

O documento foi enviado ao diretor do Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, e é assinado por três autoridades da Fundação Butantã: o diretor-presidente, Rui Curi, o superintendente Reinaldo Noboru Sato e o diretor Dimas Tadeu Covas.

No ofício, o Butantã pede, no entanto, que o governo federal informe o quantitativo de vacinas que será destinado ao Estado de São Paulo, questiona a data e horário em que será iniciada a campanha de vacinação "simultaneamente" em todo o País. "Aguardamos orientação de V. Senhoria quanto ao início da campanha de vacinação, com confirmação de data e horário definidos, considerando que deverá ocorrer simultaneamente em todos os Estados do Brasil", diz o documento.

Veja também:

Máscara de pano é eficaz? Quando devo usar a PFF2? Especialista esclarece dúvidas
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade