0

Brasil, Colômbia, Equador e Guatemala dialogam sobre políticas alimentares

11 mai 2017
21h04
  • separator
  • comentários

Representantes da sociedade civil de Brasil, Colômbia, Equador e Guatemala participam a partir desta quinta-feira de um encontro internacional sobre o desenvolvimento participativo para construir políticas de segurança alimentar e nutricional.

A reunião, que terminará amanhã, acontece na Cidade de Guatemala e, segundo o representante da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) no país, Diego Recalde, evidencia a cooperação sul-sul.

"Pela primeira vez há quatro países discutindo e propondo posições comuns com o objetivo de fortalecer a Instância de Consulta e Participação Social por meio de um processo participativo e sustentável no futuro", declarou Recalde.

Por essa razão, o propósito da reunião é gerar uma instância de intercâmbio de conhecimento sobre o tema, fazendo ênfase em estratégias de desenvolvimento institucional, mecanismos e estratégias para incidência da sociedade civil na elaboração, implementação e avaliação de políticas públicas, regulamentação legal, e geração e desenvolvimento de redes e alianças.

"Dentro da região temos experiências ricas para lançar aqui nas agendas nacionais. O desafio precisa incorporar outros setores e uma maior participação da sociedade civil é parte do objetivo", ressaltou Dulclair Sternadt, oficial de associações do escritório regional para América Latina e Caribe da FAO.

O Brasil está representado pelo Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) e acompanhado por representantes da Conferência Multinacional e Intercultural de Soberania Alimentar (COPISA) do Equador e da Federação Nacional Sindical Unitária Agropecuária (FENSUAGRO) da Colômbia.

Além disso, participarão membros da Instância de Consulta e Participação da Sociedade Civil (INCOPAS) da Guatemala e funcionários públicos locais.

O evento é organizado pela FAO e pelo governo brasileiro, no marco de seu programa de cooperação internacional.

EFE   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade