PUBLICIDADE

Por meio das redes sociais, jovens descobrem que são irmãs gêmeas

Parece coisa de cinema, mas é vida real: conheça a história de duas americanas que, por meio das redes sociais, começaram uma jornada que transformou suas vidas

6 jul 2024 - 20h45
Compartilhar
Exibir comentários

Já imaginou ter um irmão (ou irmã) gêmeo por aí e descobrir somente anos depois pelas redes sociais? Pois foi exatamente isso que aconteceu com duas jovens da Geórgia, nos Estados Unidos.

As gêmeas Elene Deisadze e Anna Panchulidze
As gêmeas Elene Deisadze e Anna Panchulidze
Foto: Divulgação/vídeo/Youtube/ABC News (Australia) / Bons Fluidos

Elene Deisadze e Anna Panchulidze, inicialmente estranhas uma para a outra, notaram uma impressionante semelhança física através da rede social TikTok. Assim, teve início um encontro virtual que foi decisivo em uma jornada que mudaria suas vidas para sempre.

Irmãs gêmeas se conhecem pela internet

Inicialmente, as duas garotas de 19 anos perceberam que eram muito parecidas. Assim, a aparência de cada uma chamou a atenção, mas foi nas histórias de vida que perceberam que poderia ter uma revelação ainda maior e decidiram investigar mais a fundo. Em conversa com seus familiares, as duas tomaram conhecimento de que tinham sido adotadas. Ao realizarem o teste de DNA, os resultados foram reveladores:  Elene e Anna não eram apenas irmãs, mas sim gêmeas idênticas.

Após a revelação

A possibilidade de fazer um teste de DNA surgiu com a ajuda de Tamuna Museridze, líder de um grupo do Facebook que procura reunir bebês roubados com suas famílias biológicas. "Muitos pais foram enganados, recebendo informações falsas de que seus bebês haviam morrido após o nascimento", explicou Tamuna. Essa prática era comum, e muitos pais adotivos não sabiam da ilegalidade por trás do processo de adoção.

"Tive uma infância feliz, mas agora todo o meu passado parece uma ilusão", disse Anna, emocionada, em uma entrevista à AFP.

Já a adoção de Elene aconteceu depois que seus pais adotivos descobriram que não poderiam ter filhos. Assim, um conhecido mencionou que havia uma criança de seis meses disponível para adoção mediante pagamento. Elene foi para sua nova casa em 2005.

A força e a coragem das irmãs em buscar a verdade sobre suas origens e reivindicar sua história são inspiradoras. Em suma, trazem a importância da transparência e legalidade em processos de adoção.

Bons Fluidos
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade