PUBLICIDADE

Elas falam se teriam caso com o chefe como Aline de 'Amor à Vida'

27 jun 2013 10h26
| atualizado às 10h32
ver comentários
Publicidade

Quem nunca ouviu falar em caso entre chefe e funcionária? O assunto retratado na novela Amor à Vida, pelo médico César (Antônio Fagundes) e a secretária Aline (Vanessa Giácomo), é frequente também fora das telinhas. O Terra conversou com mulheres que já passaram pela situação: elas aprovam o tipo de relacionamento, contanto que os envolvidos não sejam comprometidos. Não é o caso, porém, do personagem, que na trama é casado com Pilar (Susana Vieira).

Apesar de desaprovar casos extraconjugais, a publicitária V. P. M. confessou um escorregão após uma festa da empresa: “estávamos muito bêbados e acabou rolando”. Ela passou a noite com o chefe comprometido. “Não me arrependo, mas foi um erro com a namorada dele”, comentou. A situação não se repetiu e V. P. M. afirmou ser contra traição. Mas, se o gerente ou diretor estiver desimpedido e rolar um clima, as entrevistadas viveriam uma “história de amor” sem problemas.

Relacionamento no trabalho deve ser discreto e separado da vida profissional, segundo elas
Relacionamento no trabalho deve ser discreto e separado da vida profissional, segundo elas
Foto: Getty Images

Para rolar a química não é difícil, segundo a jornalista M. G. R. “São duas pessoas que se falam bastante, passam boa parte do tempo juntas e, com isso, ganham intimidade”, justificou. É o caso da auxiliar administrativo C. M., que passou um ano ao lado do diretor da empresa onde trabalhava. “Nos envolvemos sem perceber, ele havia se separado. Começou primeiro com amizade e depois foi surgindo um sentimento de carinho”, lembrou.

Namorar o chefe não é encarado da mesma forma que um relacionamento entre dois funcionários de hierarquia similar, tanto pela empresa como para os funcionários. V.P.M. teve relação com um colega de trabalho e não enfrentou problemas. Para a vendedora S. F. M., o namoro com um funcionário da empresa “foi tranquilo”. Assim como as saídas descompromissadas com uma pessoa que trabalha com M. G. R. não geraram dor de cabeça para a jornalista.

Mas a história de C. M. foi diferente: “fui demitida com o pretexto de corte de custo. Mas me chamaram para uma reunião e me informaram que eu poderia me envolver com qualquer funcionário, menos com o diretor. Foi uma punição”, contou. C. M. não indica a situação para ninguém. S. F. M. acompanhou o caso de dois colegas de trabalho, o gerente e a funcionária dele, demitidos por namorarem na empresa.

Ela nunca teve caso com colega de trabalho ou chefe, não negou que teria, mas disse que faria de tudo para não acontecer. O motivo? Para L.H., relacionamentos no trabalho são sinônimos de problemas, pois “dão margem para que as pessoas falem mais do que deveriam”. “Recebi muitas críticas”, contou C.M. “A maioria dos funcionários desaprova e diz que é por interesse”, disse S.F.M. L. H., que já conviveu com casais formados entre chefe e funcionária, acrescentou que a mulher vira o centro das atenções dos funcionários, “pois eles ficam com inveja por ela ter benefícios”.

A funcionária que decide ter um caso com o chefe pode sofrer críticas e julgamentos dos colegas de trabalho
A funcionária que decide ter um caso com o chefe pode sofrer críticas e julgamentos dos colegas de trabalho
Foto: Getty Images

A proteção realmente pode acontecer, de acordo com C.M., quando a intimidade com o chefe ajuda no crescimento profissional. “Ela pode tirar proveito, chegar fora do horário, querer ser superior aos colegas e achar que pode fazer o que quiser”, exemplificou S. F. M. o caso de um relacionamento por interesse. “Aquela besteira que você fez no trabalho pode ser esquecida mais rapidamente quando você se relaciona com o chefe”, acrescentou M. G. R. Mas a jornalista ressaltou que, por vezes, não há interesse envolvido e a relação pode ser julgada de forma errônea.

Roupa suja se lava em casa
Para manter um relacionamento saudável no ambiente de trabalho, segundo as entrevistadas, é preciso separar vida pessoal da profissional. “Não dá para levar a relação para empresa, ficar se beijando, se abraçando ou discutindo assuntos pessoais”, afirmou S. F. M. Discrição e respeito são os segredos, na opinião de M. G. R. “A intimidade não pode ser exposta para todos e os assuntos pessoais não podem ficar mais importantes do que os de trabalho dentro da empresa”, concluiu L. H.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade