PUBLICIDADE

Dia da Sogra: negativa ou positiva, que tipo de sogra você é?

Tem a invasiva, a amiga, a super vaidosa, a "na dela", entre outros. Como você age na vida dos filhos, noras e genros?

28 abr 2022 13h07
ver comentários
Publicidade
dia da sogra
dia da sogra
Foto: Unsplash / Personare

Você já reparou que existem vários tipos de sogras? Tem a invasiva, a amiga, a super vaidosa, a "na dela", entre outros. Neste Dia da Sogra, comemorado em 28 de abril no Brasil, observe como você age na vida dos filhos, noras e genros.

Para melhor tratarmos o assunto, vamos dividir o tema entre "sogra negativa" e "sogra positiva" pela visão da psicoterapeuta holística. Mas se você quiser ir além no autoconhecimento, faça aqui o seu Mapa Astral e observe principalmente o que revela a sua Lua no Mapa Astral, que está associada ao feminino, à família e à maternidade.

Sogra Negativa

É aquela que tem a si mesma como exemplo de "boa esposa" e boa mãe, a que sabe tudo sobre o filho e sobre arrumação da casa - do filho - e sobre como educar os netos.

Veja se você se enquadra nesse tipo de sogra:

  1. Sogra folgada: aquela que chega à casa do filho (ou filha) e age como se estivesse na própria residência. Invade a cozinha, começa a arrumação, a lavar a louça, guardar as roupas e a varrer a casa.
  2. Sogra invasiva: aquela que abre os armários, "sugere" outra marca de produto de limpeza ou quer saber a razão do filho/filha estar com "essa cara", quer saber sobre a vida particular do casal e sempre tem uma solução/crítica para dar.
  3. Sogra super vaidosa: a que está sempre arrumadíssima e perfumada, numa clara disputa entre quem é a mais bonita (ou bem cuidada) da casa. Isso vale tanto para a nora quanto para a própria filha. Existe sempre um comentário a respeito do cabelo ressecado, da pele sem viço ou das roupas simples da nora ou da filha.
  4. Sogra "coitadinha de mim": a que vive doente e/ou solitária, sempre reclamando atenção, fazendo chantagem emocional, roubando o tempo do casal (porque no fundo se sente roubada do filho/filha).
  5. Sogra desagregadora: aquela que se torna cúmplice da nora, que fala mal e que só aponta as características negativas do filho/filha, insuflando o genro ou nora contra seu par numa tentativa muitas vezes inconsciente de mostrar ao filho que só ela o ama, apesar dos defeitos.

Se você, sogra, se reconheceu em algum dos exemplos citados, é hora de olhar mais para sua vida e deixar que seus filhos façam suas escolhas de como viver, de como administrar seus lares, suas finanças, como educar os próprios filhos.

É o momento de aprender que aquela vida é a deles e não a sua, de se lembrar que seu papel na vida de seus filhos casados deve ser leve, é um papel passivo e não ativo, a menos que seja solicitada.

Nunca é tarde para reconhecer os próprios excessos e mudar a dinâmica das relações entre você e a família de seus filhos. Nem sempre as pessoas próximas conseguem lhe apontar os seus próprios equívocos (defeitos) nessas relações, seja por receio de magoar seja para evitar uma briga, mas é possível que você faça uma reflexão e que comece a tomar conta de você mesma, passando a ser uma "sogra positiva".

Sogra Positiva

Veja se você é esse tipo de sogra - e se não for, como pode se tornar uma:

  1. Sogra resolvida: a ativa, que ainda trabalha ou, mesmo aposentada (ou dona de casa convicta) não deixou de se movimentar pela vida, é interessada em manter-se "plugada" no mundo, não desistiu das amigas, tem um hobby - tanto faz se é pintando algumas telas ou se dedicando a cuidar de animais.
  2. Sogra divertida: aquela bem humorada, que transita despretensiosamente pela casa do filho/filha, não se envolvendo nas questões particulares do casal. Normalmente a "sogra divertida" é uma avó querida, cujos netos lamentam quando ela vai embora.
  3. Sogra "na dela": é recolhida, não se envolve mas está sempre pronta a atender quando solicitada. Telefona demonstrando interesse pelo bem estar do casal e como forma de mostrar-se disponível.
  4. Sogra amiga: aquela super jovem de espírito que tem na nora não apenas uma "filha" mas uma amiga de fato. Trocam experiências mas não fazem "fofoca" a respeito do filho/marido. Na verdade desenvolvem um relacionamento exclusivo de amizade que facilita o trânsito como sogra na vida do casal.

É claro que essas características muitas vezes se misturam, só colaborando para que as relações sogra-nora/genro sejam prazerosas e, por incrível que pareça, perenes. Muitas vezes, mesmo quando o casal se separa, a figura da sogra foi tão positivamente marcante que a relação perdura por muitos e muitos anos e o carinho fica registrado.

O importante é sempre pautar as relações sogra/filhos/nora/genro no respeito ao espaço, às escolhas e à pessoa que o outro é. Muitas vezes para garantir proximidade e acolhimento é preciso se afastar um pouco e, fundamentalmente, ter a si mesmo como personagem principal da própria vida, e não os filhos crescidos, casados e donos de suas vidas.

Ser sogra é refletir sobre a própria vida

Ser sogra é uma tremenda oportunidade para refletir a respeito do que estamos fazendo com nossas próprias vidas, além de ser também uma oportunidade para observarmos de que forma nos fazemos presentes na vida do outro: com agressividade ou com delicadeza.

A sogra de antigamente - a das piadas que todo mundo adora contar - pode dar lugar à sogra do século 21, antenada, despretensiosa, respeitosa, discreta e gentil. Afinal… imagina-se que todas querem o bem de seus filhos!

O post Dia da Sogra: negativa ou positiva, que tipo de sogra você é? apareceu primeiro em Personare.

Celia Lima (celiacalima@gmail.com)

- Psicoterapeuta Holística, utiliza florais e técnicas da psicossíntese como apoio ao processo terapêutico. Presta atendimento também por meio de terapia breve com encontros semanais, propondo uma análise lúcida e realista de questões pontuais propostas pelo cliente objetivando resultados de curto/médio prazo.

Personare
Publicidade
Publicidade