PUBLICIDADE

O que está por trás do aumento das catástrofes climáticas

Enchentes no Rio Grande do Sul, seca na Amazônia, ondas de calor na Ásia e na África: o que esses eventos têm em comum?

29 mai 2024 - 21h46
Compartilhar
Exibir comentários

Casos alarmantes de desastres climáticos não saem do noticiário mundial: enchentes no Rio Grande do Sul, seca na Amazônia, inundações e ondas de calor na África, calor extremo na Ásia.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM), ligada às Nações Unidas, alertou que, até agora, 2024 tem sido um ano particularmente ruim em termos de clima extremo, com secas, calor excessivo e inundações causando graves danos à saúde e aos meios de subsistência.

"Quase todas as regiões do mundo registraram eventos climáticos e meteorológicos extremos de diferentes naturezas", afirma Álvaro Silva, especialista em clima da OMM, à DW.

Foto: Climatempo

Fortes chuvas no Rio Grande do Sul foram atribuídas à mudança climática e ao El Niño

(Foto: Andre Penner-AP-picture alliance)

E embora nem todos os eventos climáticos extremos possam ser atribuídos à mudança climática, eles estão se tornando mais frequentes e mais perigosos devido às emissões de gases de efeito estufa provenientes da queima de carvão, petróleo e gás.

No ano passado, o Hemisfério Norte teve o verão mais quente dos últimos dois mil anos e, globalmente, 2024 está a caminho de ser ainda mais quente.

A ligação entre mudanças climáticas e o tempo

A mudança climática aumenta a evaporação das águas e coloca mais vapor de água na atmosfera. Isso causa chuvas mais intensas e enchentes em algumas áreas, e secas mais extremas em outras.

Temperaturas mais altas levam a ondas de calor mais frequentes. Esse fator somado a temperaturas oceânicas também mais altas causam estragos nos padrões climáticos globais, resultando em efeitos díspares em todo o planeta.

"Não é apenas sobre a frequência e a intensidade que se ouve falar, mas também sobre as mudanças no tempo e na duração desses extremos", diz Silva. "Não sabemos mais o que é normal no clima, porque vemos uma tendência crescente de eventos extremos."

A influência da mudança climática é evidente quando se observam as tendências climáticas a longo prazo, mas só recentemente foi possível determinar seu papel em eventos climáticos específicos.

A DW analisou três grandes eventos climáticos deste ano para verificar se a mudança climática foi um fator decisivo: as enchentes no Rio Grande do Sul, as ondas de calor na Índia e os tornados nos Estados Unidos.

O papel nas enchentes do Rio Grande do Sul

As piores enchentes da história do Rio Grande do Sul deixaram  cerca de 150 mortos, mais de 100 desaparecidos e mais de 600 mil desalojados ou desabrigados. A vida pública está praticamente paralisada. Ao todo, mais de 2 milhões de pessoas foram afetadas diretamente pela tragédia.

Cientistas já apontaram os efeitos da mudança climática, além do fenômeno climático El Niño, que aquece as águas do Oceano Pacífico nessa época do ano, para explicar as enchentes.

Um estudo publicado pelo grupo francês Laboratório de Ciências Climáticas e Ambientais (LSCE, na sigla em francês) concluiu que as fortes chuvas no estado podem ser atribuídas principalmente à mudança climática causada pelo homem.

A World Weather Attribution (WWA) - uma iniciativa de cientistas que investiga em que medida a mudança climática desempenhou um papel nos recentes eventos climáticos extremos - está trabalhando em seu próprio estudo. Mas a líder da WWA, Friederike Otto, afirma que as enchentes anteriores no Brasil estavam claramente ligadas à mudança climática.

Somada ao clima, a vulnerabilidade também desempenha um papel muito importante nos danos causados pelas enchentes, com alguns engenheiros apontando a falta de preparação e problemas de infraestrutura na região.

O papel nas ondas de calor na Índia

Em abril e maio, a Índia, juntamente com muitas partes da Ásia, sofreu com uma onda de calor sufocante. As temperaturas em algumas partes do território indiano chegaram a 47 °C, causando mortes e miséria generalizada.

A onda de calor, inclusive, pôs em xeque o comparecimento às urnas nas eleições gerais da Índia, que ocorrem ao longo de seis semanas, de 19 de abril a 1º de junho, e são as maiores do mundo.

Vários políticos, funcionários, eleitores e gerentes de campanha ficaram doentes devido ao calor, incluindo um ministro que desmaiou no palco.

"Mais de 900 milhões de eleitores precisam sair ao ar livre e fazer fila (...) por horas e horas sob o sol", afirma Leena Rikkila Tamang, diretora de Ásia na ONG IDEA, uma organização pró-democracia com sede na Suécia. "Vemos uma clara queda no comparecimento dos eleitores em comparação com as eleições de 2019."

A onda de calor na Índia foi 45 vezes mais provável e 0,85 °C mais quente devido à mudança climática, de acordo com a World Weather Attribution (WWA).

"Não há absolutamente nenhuma dúvida de que, enquanto continuarmos queimando combustíveis fósseis e, com isso, aumentando a concentração de gases de efeito estufa na atmosfera, essas ondas de calor se tornarão mais frequentes, mais severas e mais duradouras", diz Otto, que lidera a organização.

Os danos causados por condições climáticas extremas dependem da vulnerabilidade da população. Mesmo um aumento de temperatura aparentemente baixo pode causar grandes danos.

"Em países como a Índia e outras partes do sul da Ásia, onde muitas pessoas trabalham ao ar livre, elas estão muito mais expostas e mais vulneráveis até mesmo a mudanças relativamente pequenas no calor extremo", afirma Otto.

O papel nos tornados nos EUA

Os Estados Unidos registraram um grande número de tornados neste ano. Em um período de quatro dias, mais de 100 tornados atingiram a região Centro-Oeste e as Grandes Planícies, "causando danos significativos e perda de vidas", segundo as autoridades.

O Serviço Nacional de Meteorologia em Omaha, no estado de Nebraska, estabeleceu um recorde ao emitir 48 alertas de tornado em um único dia.

Mas as causas dos tornados são muito difíceis de determinar, porque eles são muito localizados. Os estudos para apontar ligações com a mudança climática funcionam melhor em eventos de grande escala em grandes áreas, como ondas de calor ou frio extremos e secas.

Com exceção dos ciclones tropicais no Atlântico Norte, a mudança climática não foi associada ao aumento da velocidade do vento, especialmente sobre a terra, de acordo com Friederike Otto.

"Como não vemos mudanças em outros tipos de velocidade do vento ou outros tipos de tempestades, eu não esperaria ver uma grande mudança, mas isso pode ser bem diferente no caso dos tornados, pois eles também são um fenômeno diferente."

Essencialmente, os cientistas não sabem dizer que tipo de papel a mudança climática desempenhou nos tornados americanos ou se desempenhou de fato algum.

Clima extremo sempre existiu?

A história está repleta de exemplos de condições climáticas extremas, mesmo antes de as engrenagens da Revolução Industrial começarem a girar e a humanidade começar a queimar os combustíveis fósseis responsáveis pela mudança climática.

Esses eventos são fenômenos naturais, mas a mudança do clima claramente os tornou muito mais frequentes e muito mais extremos, garantem os especialistas.

Antes da década de 1990, cerca de 70 a 150 eventos climáticos e relacionados à água eram registrados por ano. Desde 2000, 300 eventos extremos têm sido registrados anualmente. Mesmo com a subnotificação no passado, "a diferença é inquestionável", diz Silva, da OMM.

Este conteúdo é uma obra originalmente publicada pela agência alemã DW. A opinião exposta pela publicação não reflete ou representa a opinião deste portal ou de seus colaboradores.

Climatempo
Compartilhar
Publicidade
Publicidade