PUBLICIDADE

Cresce ritmo de afundamento do solo em mina da Braskem em Maceió

Eventual colapso pode gerar cratera do tamanho do Maracanã

5 dez 2023 - 08h25
(atualizado às 09h51)
Compartilhar
Exibir comentários
Mapa da área afetada pelo colapso iminente da mina 18 da Braskem
Mapa da área afetada pelo colapso iminente da mina 18 da Braskem
Foto: Reprodução/Ministério de Minas e Energia

O afundamento do solo sobre uma mina de sal-gema da empresa Braskem em Maceió, capital de Alagoas, voltou a acelerar nesta segunda-feira, 4, aumentando o risco de uma tragédia na cidade, de acordo com a Defesa Civil.

A velocidade vertical de deslocamento do solo era de 0,24 cm por hora entre sábado e domingo, valor que aumentou para 0,26 cm por hora de domingo para segunda no bairro do Mutange, onde continua proibida a circulação de pessoas e veículos.

Nesta terça-feira, 5, o presidente em exercício Geraldo Alckmin (PSB) deve receber em Brasília o governador de Alagoas, Paulo Dantas (MDB), para analisar a crise e o risco de colapso da mina.

A Justiça Federal determinou a remoção compulsória de 23 famílias que ainda estavam na área, que foi classificada com o mais alto nível de "criticidade".

O possível colapso da mina pode causar o maior desastre ambiental urbano da história do Brasil e uma cratera do tamanho do Maracanã.

Por sua vez, o presidente da Braskem, Roberto Bischoff, disse que a situação não é tão "grave", já que "temos bons indicativos de que o solo vem se acomodando dia a dia de uma forma melhor".

Segundo o executivo, no entanto, ainda não é possível afirmar se o solo vai se acomodar de uma forma "mais gradual" ou "abrupta".

Ansa - Brasil   
Compartilhar
Publicidade
Publicidade