PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Casal enfrenta água gelada até o peito para ver o que sobrou de casa inundada

Autoridades têm alertado para que moradores não voltem para suas casas em locais afetados, diante do risco que isso ainda representa.

15 mai 2024 - 12h49
(atualizado às 13h22)
Compartilhar
Exibir comentários
Juntos, Rosana e Nelson caminham em água gelada após tentarem visitar a casa alagada onde eles vivem em Eldorado do Sul; autoridades, no entanto, têm alertado para que moradores não voltem para suas casas em locais afetados
Juntos, Rosana e Nelson caminham em água gelada após tentarem visitar a casa alagada onde eles vivem em Eldorado do Sul; autoridades, no entanto, têm alertado para que moradores não voltem para suas casas em locais afetados
Foto: Fernando Otto/BBC / BBC News Brasil

Caminhando abraçado, o casal Rosana Patricia Figueiredo dos Santos e Nelson da Silva Borges é atingido constantemente pelas ondas formadas pela passagem de motos aquáticas e barcos pelas ruas alagadas na cidade de Eldorado do Sul, no Rio Grande do Sul.

A água barrenta acerta o peito deles com força e respinga no rosto.

Sem proteção, eles caminham com roupas comuns com a incerteza de onde vão pisar e o que vão encontrar nos canais formados nas ruas durante a maior tragédia climática da história do Rio Grande do Sul.

A reportagem da BBC News Brasil os encontrou enquanto navegava pelas ruas do município para acompanhar uma operação do Corpo de Bombeiros que tentava convencer moradores ilhados a irem para um local mais seguro.

No trajeto de duas horas com a corporação, foi possível observar panelas, eletrodomésticos, calçados e até mesmo animais mortos boiando na água turva.

O casal, que caminhava dentro da água em um momento em que os termômetros marcavam 15ºC, está abrigado na casa da filha na cidade de Cerro Grande do Sul, a cerca de 100 km de Eldorado do Sul.

Eles resolveram fazer uma viagem que dura cerca de uma hora para saber como a casa deles ficou após as enchentes. E a decepção com a situação que encontraram estava estampada no rosto do casal.

"A gente veio verificar como está a casa, porque a gente recebeu a informação de que a água havia baixado um pouco. Viemos aqui para ver o que dava para tirar: os carros ou alguma coisa. Chegamos aqui, mas infelizmente não dá", diz Rosana à BBC News Brasil.

O casal não conseguiu saber a situação detalhada da casa onde viviam, pois a água atingiu o teto e impediu que entrassem.

A casa hoje alagada abrigava Rosana, o marido, o filho e a mãe dela.

A cidade de Eldorado do Sul foi proporcionalmente a mais afetada pelas enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul. Segundo o governo, 100% da área urbana da cidade ficou alagada. Apenas a rodovia que corta o município não ficou inundada.

As autoridades têm alertado para que moradores não voltem para suas casas em locais afetados, diante do risco que isso ainda representa.

O Rio Grande do Sul tem 449 municípios afetados, com 538 mil pessoas desalojadas, segundo dados desta quarta-feira (15/5).

No caminho feito pela reportagem na segunda-feira (13/5), havia um rastro de destruição, além de um cheiro forte de lixo e de material orgânico em decomposição.

Onde antes havia uma cidade que se orgulhava de ser banhada pelo rio Jacuí e pelo lago Guaíba, agora há veículos completamente embaixo d'água, animais mortos e casas abandonadas com móveis boiando.

Nos comércios, havia portas que exibem sinais de arrombamentos, sugestão de que sofreram saques.

Nível da água ainda alto

Com o comércio da família destruída, Rosana diz que será difícil, mas casal reconstruirá vida na cidade novamente
Com o comércio da família destruída, Rosana diz que será difícil, mas casal reconstruirá vida na cidade novamente
Foto: Fernando Otto/BBC / BBC News Brasil

Rosana imaginava que, duas semanas após o início da tragédia, encontraria a água em um nível mais baixo.

No entanto, as chuvas nas cabeceiras dos rios que desaguam no lago Guaíba fizeram o alagamento aumentar nos últimos dias em Eldorado do Sul.

"Chegamos aqui hoje e estava alta (a água). E a casa está alagada. Perdemos tudo novamente. A sensação é de desespero e tristeza. Vai ser difícil reconstruir porque já é a terceira (enchente) seguida", diz Rosana, enquanto treme de frio.

Além desta tragédia histórica, a região registrou alagamentos significativos em setembro e novembro de 2023.

Rio Grande do Sul vive a maior tragédia climática de sua história
Rio Grande do Sul vive a maior tragédia climática de sua história
Foto: Fernando Otto/BBC / BBC News Brasil

As enchentes não afetaram apenas a casa de Rosana e Nelson.

As chuvas também inundaram a loja de móveis da família de Rosana, que garantia a renda deles.

"Quando a gente trabalha (com carteira assinada), tudo bem. Mas quando você tem comércio fica mais complicado. Como é que tu vai recomeçar?", questiona ela, que nasceu em Natal (RN) e vive há 26 anos em Eldorado do Sul.

Mesmo sem previsão de retorno à sua casa em Eldorado do Sul e num momento em que o nível das águas ainda subia, Rosana planeja voltar a viver no bairro com a família.

Ponto de ônibus alagado: a água ainda não abaixou em muitos locais de Eldorado do Sul
Ponto de ônibus alagado: a água ainda não abaixou em muitos locais de Eldorado do Sul
Foto: Fernando Otto/BBC / BBC News Brasil

Hoje ela diz que não sabe como isso será feito, mas já fala em começar tudo de novo.

"É complicado, é força. Só. A gente não tem outra palavra. É olhar as paredes da casa, ver se põe em pé e tentar recomeçar quando voltar", diz ela, com confiança, enquanto se despede e caminha para sair, com o marido, da água gelada.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade