PUBLICIDADE

2023 será o ano mais quente da história, alerta ONU

Órgão aponta que a temperatura média global já está 1,4º C acima do período pré-industrial e faz apelo na COP28.

1 dez 2023 - 23h02
Compartilhar
Exibir comentários

Mesmo faltando um mês para 2023 acabar, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), agência climática das Nações Unidas (ONU), afirmou em relatório divulgado na quinta-feira (30/11) que este já é o ano mais quente da história da humanidade, após uma sequência ininterrupta de nove anos com calor recorde, e apela para que sejam tomadas ações urgentes contra o aquecimento global e seus efeitos devastadores sobre o planeta.

Foto: Climatempo

Lagoa da Francesa, no Amazonas: calor extremo em 2023 transformou em deserto paisagens inteiras da maior floresta tropical do mundo (Foto: Aguilar Abecassis/dpa/picture alliance)

A mensagem foi reforçada pelo secretário geral da ONU, Antonio Guterres, ao dirigir-se a líderes globais reunidos em Dubai no mesmo dia para a Conferência do Clima (COP28), realizada em meio à crescente pressão internacional pela redução das emissões de carbono.

Falando na abertura do evento, Guterres pediu ação imediata e alertou que a humanidade está "profundamente enrascada". "Estamos vivendo o colapso climático em tempo real, e o impacto é devastador", afirmou em mensagem transmitida por vídeo. "O aquecimento global recorde deveria provocar arrepios na espinha dos líderes globais. E deveria impeli-los à ação."

Temperatura média global 1,4º C acima do nível pré-industrial

Segundo o relatório da OMM, a temperatura média global já está 1,4º C acima da registrada no período pré-industrial, e os eventos climáticos extremos decorrentes deste aquecimento deixam "um rastro de devastação e desespero".

"É uma cacofonia ensurdecedora de recordes quebrados", afirma o chefe da agência, Petteri Taalas. "Os níveis de gases do efeito estufa estão no patamar mais alto já registrado; o nível do mar, também. E o gelo na Antártica está no nível mais baixo já registrado."

Cientistas têm avisado que a janela de tempo para ação está se fechando, e que a humanidade corre o risco de ver o aquecimento global sair totalmente do controle.

Os acordos climáticos de Paris, firmados na COP21, em 2015, fixavam a meta de controle do aquecimento global a 1,5º C acima dos níveis pré-industriais ou, na pior das hipóteses, abaixo dos 2º C.

É esse limite de 1,5º C que agora corre o risco de ser ultrapassado - especialmente diante do El Niño, fenômeno climático de aquecimento das águas do Pacífico Equatorial, que ressurgiu em 2023 e deve provocar o aumento das temperaturas globais no ano seguinte.

"É praticamente certo que atingiremos esse 1,5º C nos próximos quatro anos, ao menos temporariamente", afirma Taalas, da OMM. "Estamos caminhando rumo a um aquecimento de 2,5º C a 3º C e isso significaria que veremos mais impactos negativos das mudanças climáticas."

Para Guterres, a comunidade internacional precisa se comprometer com medidas drásticas para frear as mudanças climáticas e se ater ao limite de 1,5º C, com o abandono gradual dos combustíveis fósseis e investimentos em energia renovável.

Sequência ininterrupta de dez anos de calor recorde desde 2013

Embora o relatório final da OMM para o ano de 2023 só deva sair no primeiro semestre de 2024, os cientistas que elaboraram o estudo afirmam que a diferença entre janeiro e outubro de 2023 e o mesmo período do recorde anterior, de 2016, já é tamanha que "é muito improvável" que os dados de novembro e dezembro façam alguma diferença.

O mesmo relatório também aponta que os nove anos anteriores a 2023 quebraram todos os recordes de calor. "Isso é mais do que mera estatística", argumenta Taalas, alertando para o risco de degelo irreversível dos glaciares e o consequente avanço do mar. "Não podemos voltar ao clima do século 20, mas precisamos agir agora para limitar os riscos de um clima cada vez mais inóspito neste e nos próximos séculos."

Ainda segundo a OMM, as concentrações dos três principais gases do efeito estufa - dióxido de carbono, metano e óxido nitroso - atingiram níveis recordes em 2022, com dados preliminares indicando que a tendência deve se manter neste ano. Com os níveis de dióxido de carbono 50% mais altos em relação ao período pré-industrial, as "temperaturas continuarão a subir por muitos anos no futuro", segundo a agência - mesmo com o corte drástico das emissões.

Também a taxa de aumento do nível do mar na última década mais que dobrou em relação à primeira década dos registros por satélite (1993-2002), aponta o relatório da OMM, tendo o nível máximo de gelo marinho neste ano na Antártica, no hemisfério Sul, atingido seu patamar mais baixo - a área perdida supera a França e a Alemanha juntas. No Norte do globo, geleiras na América do Norte e na Europa novamente registraram derretimento extremo.

Este conteúdo é uma obra originalmente publicada pela agência alemã DW. A opinião exposta pela publicação não reflete ou representa a opinião deste portal ou de seus colaboradores.

Climatempo
Compartilhar
Publicidade
Publicidade