PUBLICIDADE

Startup mineira SVA Tech levanta R$ 6 mi para levar inteligência artificial à indústria

Empresa é dona de uma ferramenta de análise de vídeo em tempo real; cheque será usado para aprimorar a tecnologia

3 set 2021 17h02
ver comentários
Publicidade

De olho em ajudar a indústria a inspecionar em tempo real suas operações, a startup mineira SVA Tech revelou ao Estadão que recebeu um aporte de R$ 6 milhões para turbinar seu software - a rodada contou com a participação dos fundos KPTL, Cedro Capital e FC Partners.

Fundada em 2014, a empresa é dona de uma ferramenta de análise de vídeo com inteligência artificial. A SVA Tech atende 178 clientes, entre eles empresas como o grupo de energia CPFL e a produtora de aço Gerdau.

A ferramenta é adaptada para as necessidades de cada companhia. No caso da CPFL, por exemplo, o sistema da startup monitora em tempo real o andamento das obras de subestações - as câmeras, aliadas ao software, avaliam se os trabalhos estão evoluindo para gerenciar os cronogramas previstos. Na Gerdau, uma das aplicações é no transporte de carga: o sistema detecta a presença ou não do material no caminhão em descarregamentos.

A tecnologia foi criada internamente pela startup: a empresa desenvolveu redes neurais próprias e diz que não usa bibliotecas de código aberto. "Começamos a trabalhar com a visão computacional há sete anos, o que nos deu uma grande bagagem para entregar um produto que funciona 24 horas por dia dentro de operações críticas e indústrias extremamente exigentes", afirma Roberto Fernandino, presidente executivo da SVA Tech, em entrevista ao Estadão.

Trata-se do segundo aporte da KPTL (fala-se Quépital) na empresa - em 2017, a firma de capital de risco investiu R$ 2,5 milhões na startup. "Visão computacional é uma tecnologia que está em transformação. A SVA Tech ao longo do caminho tem provado várias hipóteses em um campo amplo de atuação. Devido a essa evolução, fez sentido um segundo investimento", diz Eduardo Sperling, diretor do fundo Criatec 3 na KPTL.

Com os novos recursos, a startup pretende ampliar seu quadro de funcionários de 36 pessoas para 68 em 2022. Um dos planos também é evoluir a plataforma para que os clientes tenham a liberdade de treinar redes neurais para usar dentro de diferentes aplicações.

Apesar de ter a indústria como seu mercado principal, a SVA Tech também oferece uma tecnologia de reconhecimento facial para o mercado de segurança. Questionada sobre o potencial da ferramenta para abuso de privacidade e vigilância, a startup afirma que todos os dados são protegidos por criptografia e que segue as normas da Lei Geral de Proteção de Dados.

Estadão
Publicidade
Publicidade