PUBLICIDADE

Bitdefender lança app gratuito para vítimas do vírus GandCrab

Desde o início do ano já foram disseminadas cinco versões do código malicioso. A ferramenta da Bitdefender é gratuita para as vítimas.

17 nov 2018 12h12
ver comentários
Publicidade

Imagine que você abre seu computador e está tudo bloqueado: trabalhos, fotos pessoais, vídeos, planilhas, documentos. Tudo foi criptografado e você só terá acesso a eles se pagar um “resgate”. Foram milhares e milhares de vítimas desde o início de 2018: o ransomware GandCrab criptografa os dados da vítima e só libera perante pagamento de um resgate.

A família de ransomware se espalha por meio de vários vetores de ataque, como e-mails indesejados, kits de exploração e campanhas mal-intencionadas de programas afiliados. E as vítimas sofrem para recuperar o que perderam.

Foto: Reprodução

Para ajudar essas vítimas, a Bitdefender (representada no Brasil pela Securisoft) desenvolveu uma ferramenta gratuita que permite a recuperação dos dados criptografados dos usuários que foram vítimas do GandCrab.

Desenvolvido em parceria com a Europol, a polícia romena, e com o apoio do FBI e outras agências da lei, a ferramenta permite que vítimas de todo o mundo recuperem seus arquivos criptografados sem pagar resgate aos hackers. A nova ferramenta permite descriptografar dados extraídos pelas versões 1, 4 e 5 do malware. Caso seu computador esteja infectado com as versões 2 ou 3, para as quais a Bitdefender ainda não oferece suporte, a recomendação continua sendo a de não pagar o resgate. Em breve, a solução oferecerá suporte a essas versões.

Para saber qual a versão do malware que atingiu seu dispositivo, basta conferir a extensão dos seus arquivos criptografados. Nessa tabela abaixo, a Bitdefender informa a extensão de cada uma das versões do software malicioso:

Foto: Reprodução

Normalmente, o ransomware GandCrab tenta criptografar arquivos com extensões diferentes, como MS Office, OpenOffice, PDF, arquivos de texto, bancos de dados, fotos, música, vídeo e arquivos de imagem. Os arquivos com maior número de detecção desse ransomware são os utilizados para crackear cópias piratas de programas famosos, como o Adobe Acrobat, Adobe Flash, Office, além de editores de áudio e também jogos como Minecraft, CounterStrike, Starcraft e Bejeweled 3. Por esse motivo, a Securisoft alerta para o download de aplicativos e programas de sites não-oficiais, os quais não é possível garantir a procedência.

"É necessário ficar alerta na hora de baixar aplicativos ou programas. Cópias piratas quase sempre contêm softwares maliciosos e os danos depois podem ser irrecuperáveis", alerta Eduardo D'Antona, CEO da Securisoft e Country Partner da Bitdefender.

 

 

Digital
Publicidade
Publicidade