0

Próxima rodada de tarifas em disputa comercial EUA-China deve ser em mais de 30 dias, diz Mnuchin

22 mai 2019
16h27
  • separator
  • comentários

Os Estados Unidos vão demorar ao menos um mês para aprovar as tarifas propostas de 300 bilhões de dólares sobre importações chinesas, enquanto estudam o impacto sobre os consumidores, afirmou nesta quarta-feira o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin.

Secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, em Washington  22/5/2019 REUTERS/Mary F. Calvert
Secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, em Washington 22/5/2019 REUTERS/Mary F. Calvert
Foto: Reuters

Os EUA elevaram as tarifas existentes de 200 bilhões de dólares em produtos chineses de 10% para 25%, o que levou os chineses a retaliarem com tarifas sobre as importações americanas, enquanto as negociações para encerrar uma guerra comercial de 10 meses entre as duas maiores economias do mundo estagnaram.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que abraçou o protecionismo como parte da agenda "América Primeiro", destinada a reequilibrar o comércio global, ameaçou subir as tarifas para até 25% em uma lista adicional de importações chinesas no valor de 300 bilhões de dólares.

"Não haverá nenhuma decisão provavelmente por mais 30 ou 45 dias", disse Mnuchin em uma audiência perante o Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes.

Uma janela de 30 dias representaria um cronograma acelerado em comparação às rodadas anteriores de tarifas dos EUA e significaria que o próximo lote de taxas estaria pronto quando Trump se encontrar com o presidente chinês, como esperado, em uma cúpula de líderes do G20 no Japão em 28/29 de junho.

Mnuchin disse que o governo Trump está aberto a manter novas negociações com a China se os dois lados puderem prosseguir com base em negociações anteriores.

Nenhuma negociação entre os principais negociadores chineses e norte-americanos foi marcada desde o fim dos dois dias de discussões em Washington, em 10 de maio, no mesmo dia em que Trump impôs as maiores taxas sobre os produtos chineses.

O principal diplomata do governo chinês, Wang Yi, disse nesta quarta-feira que a porta da China estará sempre aberta a futuras negociações comerciais com os Estados Unidos, mas acrescentou que Pequim não aceitará acordos desiguais.

A briga entre os dois países se intensificou desde a semana passada, quando o governo dos EUA colocou a empresa chinesa de equipamentos de telecomunicações Huawei [HWT.UL] em uma lista que veta o acesso da Huawei a componentes fabricados nos Estados Unidos.

A medida é um golpe potencialmente devastador para a empresa que sacudiu cadeias de fornecimento de tecnologia e investidores.

Embora a China não tenha dito se, ou como, pode retaliar as medidas contra a Huawei, a mídia estatal adotou um tom cada vez mais estridente e nacionalista e prometeu que Pequim não se curvará à pressão dos EUA.

A situação internacional é cada vez mais complexa, e a China terá que superar grandes riscos e desafios, afirmou a agência de notícias Xinhua, parafraseando Xi, em uma viagem à província de Jiangxi, no sul da China, berço da revolução comunista no país.

"Devemos estar conscientes da natureza complexa e de longo prazo de vários fatores desfavoráveis no país e no exterior, e nos preparar adequadamente para várias situações difíceis", disse Xi.

A matéria não elaborou essas dificuldades e não mencionou diretamente a guerra comercial ou os Estados Unidos.

Empresas dos EUA declararam em uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira que estão enfrentando retaliação na China por causa da guerra comercial.

A pesquisa também mostrou que 40,7% dos entrevistados estavam considerando ou haviam realocado instalações de fabricação para fora da China. Dos quase 250 entrevistados na pesquisa, realizada após a última rodada de tarifas dos EUA e da China, quase três quartos disseram que as taxas estavam prejudicando sua competitividade.

"A ideia não é ter tarifas, a ideia é que ela (China) trate nossas empresas de forma justa", disse Mnuchin aos congressistas norte-americanos, acrescentando que o governo Trump estava "muito concentrado" no impacto sobre os agricultores norte-americanos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • comentários
publicidade