PUBLICIDADE

40% das mulheres têm dupla jornada de trabalho e muitas se sentem infelizes, diz pesquisa

Mulheres trabalham, em média, 7,5 horas a mais que os homens por semana entre trabalho remunerado e tarefas domésticas

18 dez 2023 - 11h08
(atualizado às 16h04)
Compartilhar
Exibir comentários
As preocupações entre as colaboradoras também são maiores
As preocupações entre as colaboradoras também são maiores
Foto: vidalink / DINO

Segundo dados da Vidalink, empresa de plano de benefícios de bem-estar corporativo do Brasil, cerca de 40% (39,44%) das mulheres têm dupla jornada (trabalha e cuida da casa), contra 24% dos homens. As preocupações entre as colaboradoras também são maiores: apenas 21% das mulheres se sentem tranquilas, felizes ou realizadas na maior parte do dia.

10 atitudes dentro de casa que também são machismo 10 atitudes dentro de casa que também são machismo

Para Luis González, CEO e cofundador da Vidalink, os resultados da pesquisa "Check-up de bem-estar 2023", realizada com 8.900 colaboradores de 217 empresas, apontam como o bem-estar corporativo deve ser trabalhado sob a visão holística. Conforme os desafios de bem-estar identificados pelo levantamento da Vidalink, especialmente nas disparidades entre os gêneros, os programas de benefícios precisam ser adaptados conforme a realidade de cada colaborador.

"Ao estruturar projetos, ações ou contratar benefícios novos para seus colaboradores, é essencial lembrar que nem todas as pessoas têm o mesmo ponto de partida. A verdadeira jornada de cuidado começa quando reconhecemos as diferenças e nos comprometemos a apoiá-las, garantindo equidade de condições para todos", declara Luis González.

As mulheres trabalham, em média, 7,5 horas a mais que os homens por semana devido à dupla jornada, que inclui tarefas domésticas e trabalho remunerado. Avaliando as atividades não remuneradas, mais de 90% das mulheres declararam realizar atividades domésticas; os homens, em torno de 50%, segundo dados do Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça realizado em 2023, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). "Apesar de a pesquisa da Vidalink demonstrar a maior preocupação das mulheres em cuidar da saúde mental, a dupla jornada de trabalho pode levar à negligência de outros pilares do cuidado com o bem-estar, como a prática de atividades físicas e a manutenção de uma alimentação saudável", explica Luis.

O assunto de sobrecarga na dupla jornada de trabalho levanta o conceito de pobreza de tempo: "Para além dos cuidados com a saúde, as preocupações em garantir a renda e cumprir todos os afazeres domésticos fazem com que pouco tempo seja investido no desenvolvimento pessoal. A empresa deve ser uma aliada em garantir que cada colaborador tenha oportunidades de se desenvolver no ambiente de trabalho por meio de treinamentos, cursos e ações culturais", diz o executivo.

De acordo com o executivo, existem quatro fatores fundamentais para que as pessoas estejam plenamente satisfeitas com seu bem-estar:

  • Sentimento de realização e tranquilidade no dia a dia;
  • Boa percepção de sua rotina, com sono, alimentação e atividades físicas equilibrados;
  • Praticar exercícios físicos com frequência para saúde física e mental;
  • Não acumular, sem rede de apoio ou divisão de tarefas, rotina de trabalho dupla (trabalho remunerado e não remunerado).

Para que cada jornada de cuidado tenha resultados eficazes, refletidos na produtividade e no engajamento da equipe, a temática de bem-estar deve integrar a estratégia geral da companhia. "Ao se falar de bem-estar corporativo, é imprescindível assumir a responsabilidade pela construção de uma cultura organizacional mais justa, empática e positiva, o que traz benefícios tangíveis para a produtividade, o engajamento e a satisfação de toda a equipe", finaliza Luis.

Website: http://www.vidalink.com.br

DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade