PUBLICIDADE

UE acusa Rússia de roubar trigo da Ucrânia

Para Bruxelas, Moscou usa o 'tema alimentar como arma'

24 mai 2022 10h59
| atualizado às 11h11
ver comentários
Publicidade

O poder Executivo da União Europeia disse nesta terça-feira (24) que existem "várias provas" de que a Rússia está roubando trigo da Ucrânia ou destruindo estoques, o que arrisca agravar a crise alimentar no planeta.

Foto de satélite mostra suposto carregamento de trigo ucraniano em navio russo no Porto de Sebastopol
Foto de satélite mostra suposto carregamento de trigo ucraniano em navio russo no Porto de Sebastopol
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

"Putin está usando o tema alimentar como uma arma, o impacto é sentido não apenas na Ucrânia, mas também na África e Ásia. Não temos dúvidas de que as tropas russas roubam o trigo ucraniano ou destroem estoques, há várias provas", disse um porta-voz da Comissão Europeia, mas sem apresentar as evidências.

"Não podemos dizer o que queremos fazer para enfrentar essa situação porque tem uma guerra em curso, mas há discussões sobre como intervir", acrescentou.

O suposto roubo de trigo já havia sido denunciado pela própria Ucrânia, cujo ministro das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, fez um apelo para os países não comprarem grãos tomados pela Rússia.

Já a emissora americana CNN divulgou fotos de satélites que mostram dois navios russos sendo carregados com trigo supostamente da Ucrânia no Porto de Sebastopol, na Crimeia.

"A Rússia usa fome e trigo para exercitar seu poder", acusou nesta terça a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em seu discurso ao Fórum Econômico Mundial de Davos.

As forças russas bloquearam todos os portos da Ucrânia no Mar Negro, impedindo, na prática, que os estoques de grãos do país sejam exportados. Na semana passada, Moscou prometeu liberar a passagem de navios ucranianos se o Ocidente revogar as sanções contra seus produtos de exportação.

A ONU já alertou que essa situação arrisca provocar uma crise alimentar mundial, com a disparada dos preços de grãos no mercado internacional.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade