0

Rússia transfere opositor Alexei Navalny para colônia penal

Presídios do tipo são herança da União Soviética

26 fev 2021
13h29
atualizado às 13h49
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O opositor russo Alexei Navalny foi transferido para uma colônia penal no país, confirmou o Serviço Penitenciário Federal (FSIN) nesta sexta-feira (26). Segundo o diretor do órgão, Alexander Kalashinikov, a transferência ocorreu por ordem do tribunal de Moscou.

Alexei Navalny
13/01/2021
Cortesia do Instagram de @NAVALNY/Mídia Social via REUTERS
Alexei Navalny 13/01/2021 Cortesia do Instagram de @NAVALNY/Mídia Social via REUTERS
Foto: Reuters

"Ele cumprirá a sentença em condições absolutamente normais", acrescentou Kalashinikov ao ser questionado por jornalistas se ele ia precisar fazer trabalhos como marcenaria e costura comuns nesse tipo de instituição, ainda herança do período da União Soviética.

O chefe da FSIN ainda garantiu que Navalny não corre nenhum "risco de vida ou de saúde" no local.

A decisão dos russos havia sido denunciada por uma das advogadas do opositor, Olga Mikhailova, nesta quinta-feira (25). Isso porque, na última semana, a Corte Europeia de Direitos Humanos havia determinado a soltura imediata do russo por haver riscos dele ser morto.

Navalny voltou à Rússia cinco meses depois de ser envenenado com uma substância do grupo novichock e acusa o governo russo de estar por trás da tentativa de homicídio.

Ao voltar, em janeiro, foi condenado a três anos e meio de prisão por não comparecer a uma audiência de custódia no fim de dezembro. Como ele estava em tratamento médico na Alemanha por conta do envenenamento, ele não estava em Moscou.

O opositor havia sido condenado em 2014 a três anos de prisão por conta de um suposto desvio de 26 milhões de rublos de uma empresa cosmética francesa. No entanto, após um ano de detenção, a pena foi convertida em condicional e ele pode sair da cadeia.

Por conta disso, agora, ele terá que passar mais dois anos e meio em regime fechado. .
   

Veja também:

'A melhor vacina é a disponível': Por que não se pode comparar os imunizantes contra covid-19
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade