0

Por que Battisti não passou pelo Brasil antes da extradição?

Itália preferiu buscá-lo diretamente na Bolívia, que aplicou uma ordem de "expulsão obrigatória"

14 jan 2019
10h29
atualizado às 11h09
  • separator
  • comentários

Muito se cogitou sobre a possibilidade do italiano Cesare Battisti passar pelo Brasil antes de ser extraditado no domingo (13). O governo de Jair Bolsonaro chegou a enviar um avião da Polícia Federal para buscar Battisti na Bolívia e até anunciou que o italiano faria uma escala no Brasil antes de ser enviado à Itália.

Avião enviado de Roma iniciou trajeto para extradição de Battisti no Aeroporto Viru Viru, em Santa Cruz de la Sierra.
Avião enviado de Roma iniciou trajeto para extradição de Battisti no Aeroporto Viru Viru, em Santa Cruz de la Sierra.
Foto: Divulgação Polícia da Itália/via AFP / Estadão Conteúdo

No entanto, o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, anunciou no fim da tarde que as autoridades buscariam Battisti diretamente em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, em uma decisão que pegou de surpresa o Brasil e a imprensa internacional. Em entrevista exclusiva à "ANSA", o embaixador italiano em La Paz, Placido Vigo, explicou que foi uma decisão estratégica. "A ida direta da Bolívia para Itália, sem passar pelo Brasil, permitiu que o governo italiano não ficasse restrito à pena de 30 anos de prisão que Brasília tinha solicitado no acordo de extradição".

Os dois países, na época da autorização da extradição e na formulação do acordo, tiveram de acertar diferenças no sistema penal. Como a pena máxima no Brasil é de 30 anos, a Itália teria que aceitar esse limite em Battisti, que, por sua vez tinha sido sentenciado à condenação perpétua.

"Além disso, a extradição via Bolívia evitou um risco de uma outra detenção de Battisti no Brasil, que poderia requerer um novo pedido de extradição", contou o embaixador italiano. A Bolívia, por sua vez, aplicou uma ordem de "expulsão obrigatória" a Battisti, negociada com o ministro das Relações Exteriores Diego Pary.

O governo de Evo Morales aplicou a Lei 370 de Migração, a qual dispõe sobre saída obrigatória por sua condição ilegal. Battisti entrou na Bolívia ilegalmente via Brasil, onde residia desde 2004.

Veja também:

 

Ansa - Brasil   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade