1 evento ao vivo

ONU pede U$8,4 bilhões em ajuda humanitária para Síria e região

18 dez 2014
15h56

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou seu maior apelo humanitário da história em favor da Síria nesta quinta-feira, solicitando 8,4 bilhões de dólares depois de só obter 46 por cento do financiamento que pediu em 2014.

Alto comissário da ONU para refugiados Guterres concede entrevista em Genebra. 08/12/2014.
Alto comissário da ONU para refugiados Guterres concede entrevista em Genebra. 08/12/2014.
Foto: Pierre Albouy / Reuters

A ajuda é necessária com urgência para oferecer socorro a 18 milhões de pessoas na Síria e espalhadas pela região, assim como em países e comunidades que lutam para acolhê-las, disseram autoridades da ONU em uma reunião de doadores na Alemanha.

Cerca de 200 mil pessoas morreram e quase metade da população síria foi desabrigada pelo conflito, que começou como um movimento de protesto em 2011 mas degenerou em uma guerra civil. O número de pessoas precisando de auxílio humanitário aumentou em 2,9 milhões em meros 10 meses.

“Precisamos de uma nova arquitetura de ajuda”, afirmou o alto comissário das Nações Unidas para Refugiados, Antonio Guterres.

“A guerra da Síria ainda está escalando, e a situação humanitária está se prolongando. Os refugiados e desabrigados internos esgotaram suas economias e recursos e os países que os acolhem estão no seu limite”.

Vizinhos sírios como Líbano, Turquia, Jordânia e Iraque vêm reduzindo intensamente o número de refugiados sírios que permitem que cruzem suas fronteiras, já que não conseguem mais arcar com a afluência, de acordo com agências humanitárias.

A ONU solicitou 2,28 bilhões de dólares para ajuda aos sírios dentro do país em 2014, mas recebeu apenas 46 por cento do montante. Também pediu 3,74 bilhões de dólares para os refugiados e só recebeu 57 por cento desta soma.

(Por Sabine Siebold)

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade