PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Mundo

Justiça de Nova York multa Donald Trump em R$ 1,76 bilhão por fraude fiscal

Ex-presidente, que tenta retornar à Casa Branca este ano, também está proibido de administrar seus negócios por um período de três anos

16 fev 2024 - 19h41
Compartilhar
Exibir comentários
Ex-presidente dos EUA Donald Trump.
Ex-presidente dos EUA Donald Trump.
Foto: DW / Deutsche Welle

A Justiça de Nova York aplicou nesta sexta-feira, 16, uma multa ao ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump de quase US$ 355 milhões (equivalente a cerca de R$ 1,76 bilhão) e o proibiu de administrar seus negócios por três anos, de acordo com a sentença.

"O Tribunal proíbe Donald Trump [...] de atuar como funcionário ou diretor de qualquer corporação de Nova York ou outra entidade legal em Nova York por um período de três anos," escreveu o juiz Arthur Engoron em sua decisão, ordenando que o magnata republicano pague uma multa de US$ 354.868.768.

Trump, que construiu sua reputação como um titã do setor imobiliário, também foi proibido de atuar como diretor ou executivo de qualquer corporação de Nova York por três anos. No entanto, o juiz recuou de uma decisão anterior que teria dissolvido as empresas do ex-presidente.

Os advogados de Trump prometeram recorrer. A advogada Alina Habba chamou o veredicto de "injustiça flagrante" e "o culminar de uma caça às bruxas politicamente motivada de vários anos". Ela e o advogado de Trump, Christopher Kise, afirmaram que o veredicto, se mantido, prejudicaria o ambiente empresarial.

O juiz Arthur Engoron emitiu sua decisão após um julgamento de 2 meses e meio que viu o pré-candidato presidencial republicano se irritar sob juramento, alegando ser vítima de um sistema legal manipulado.

Trump e suas empresas foram ordenados a pagar US$ 355 milhões. Seus filhos mais velhos, os vice-presidentes executivos da Trump Organization, Donald Trump Jr. e Eric Trump, cada um foi ordenado a pagar US$ 4 milhões. O ex-diretor financeiro Allen Weisselberg foi ordenado a pagar US$ 1 milhão.

Engoron concluiu que Trump e seus co-réus "não aceitaram a responsabilidade" por suas ações e que testemunhas especializadas que depuseram a favor da defesa "simplesmente negaram a realidade". O juiz chamou a fraude civil no cerne do julgamento de um "pecado venial, não um pecado mortal".

"Eles não assaltaram um banco à mão armada. Donald Trump não é Bernard Madoff. Ainda assim, os réus são incapazes de admitir o erro de seus caminhos", escreveu Engoron, um democrata. Ele disse que a "completa falta de contrição e remorso" deles beira o patológico.

"As fraudes encontradas aqui saltam da página e chocam a consciência", acrescentou o juiz.

A penalidade severa foi uma vitória para a procuradora-geral de Nova York, Letitia James, uma democrata, que processou Trump por não apenas uma simples jactância, mas anos de práticas enganosas enquanto ele construía a coleção multinacional de arranha-céus, campos de golfe e outras propriedades que o catapultaram para a riqueza, fama e a Casa Branca.

Os advogados de Trump já haviam dito antes do veredicto que iriam recorrer. James processou Trump em 2022 sob uma lei estadual que autoriza a investigação de fraudes persistentes em negócios.

O processo acusava Trump e seus co-réus de inflar rotineiramente suas demonstrações financeiras para criar uma ilusão de que suas propriedades eram mais valiosas do que realmente eram. Advogados estaduais disseram que Trump exagerou sua riqueza em até US$ 3,6 bilhões em um ano.

Ao se parecer mais rico, Trump se qualificava para melhores condições de empréstimo, economizava em juros e conseguia concluir projetos que de outra forma talvez não tivesse terminado, disseram advogados estaduais.

Antes mesmo do início do julgamento, Engoron decidiu que James havia comprovado que as demonstrações financeiras de Trump eram fraudulentas. O juiz ordenou que algumas empresas de Trump fossem retiradas de seu controle e dissolvidas. Um tribunal de apelações suspendeu essa decisão.

Nessa decisão anterior, o juiz concluiu que, entre outros truques, as demonstrações financeiras de Trump haviam afirmado erroneamente que seu apartamento na Trump Tower era quase três vezes maior do que seu tamanho real e superestimado sua propriedade Mar-a-Lago em Palm Beach, na Flórida, com base na ideia de que a propriedade poderia ser desenvolvida para uso residencial, mesmo que ele tivesse renunciado aos direitos de desenvolvê-la para qualquer uso que não fosse um clube.

Trump, uma das 40 testemunhas a depor no julgamento, disse que suas demonstrações financeiras na verdade subestimavam seu patrimônio líquido e que os bancos faziam suas próprias pesquisas e estavam satisfeitos com seus negócios. "Não houve vítima. Não houve nada", testemunhou Trump em novembro.

Durante o julgamento, Trump chamou o juiz de "extremamente hostil" e a procuradora-geral de "uma mercenária política". Em um diatribe de seis minutos durante os argumentos finais em janeiro, Trump proclamou "eu sou um homem inocente" e chamou o caso de um "fraude contra mim".

Na quinta-feira, um juiz confirmou que o julgamento do caso de silenciamento de testemunhas de Trump começará em 25 de março e um juiz em Atlanta ouviu argumentos sobre se deve remover a procuradora do distrito de Fulton, Fani Willis, de seu caso de interferência nas eleições da Geórgia, porque ela tinha um relacionamento pessoal com um promotor especial que ela contratou.

Essas acusações criminais não parecem ter minado sua marcha em direção à indicação presidencial republicana, mas ações judiciais civis o ameaçaram financeiramente.

Em 26 de janeiro, um júri ordenou que Trump pagasse US$ 83,3 milhões à escritora E. Jean Carroll por difamá-la depois que ela o acusou, em 2019, de tê-la agredido sexualmente em uma loja de departamentos de Manhattan nos anos 1990. Isso é além dos US$ 5 milhões que um júri concedeu a Carroll em um julgamento relacionado no ano passado.

Em 2022, a Trump Organization foi condenada por fraude fiscal e multada em US$ 1,6 milhão em um caso criminal não relacionado por ajudar executivos a sonegar impostos sobre benefícios extravagantes como apartamentos em Manhattan e carros de luxo. James pediu ao juiz que impusesse uma penalidade de pelo menos US$ 370 milhões.

Engoron decidiu o caso porque nenhum lado buscou um júri e a lei estadual não permite júris para esse tipo de ação judicial. Por ser civil, e não criminal, o caso não carregava o potencial de tempo de prisão.

James, que fez campanha para o cargo como crítica e fiscalizadora de Trump, começou a examinar as práticas comerciais dele em março de 2019, depois que seu ex-advogado pessoal Michael Cohen testemunhou ao Congresso que Trump exagerou sua riqueza em demonstrações financeiras fornecidas ao Deutsche Bank enquanto tentava obter financiamento para comprar o Buffalo Bills da NFL.

O escritório de James anteriormente processou Trump por usar sua própria fundação de caridade para promover seus interesses políticos e comerciais. Trump foi ordenado a pagar US$ 2 milhões para uma série de instituições de caridade como multa e a fundação, a Trump Foundation, foi fechada.

Trump incorporou a Trump Organization em Nova York em 1981. Ele ainda é dono dela, mas colocou seus ativos em um trust revogável e renunciou a seus cargos como diretor, presidente e presidente da empresa quando se tornou presidente, deixando a administração da empresa para Eric Trump e Donald Trump Jr.

Trump não voltou a uma posição de liderança declarada ao deixar a Casa Branca em 2021, mas seus filhos testemunharam que ele esteve envolvido em algumas tomadas de decisão. Engoron já havia nomeado uma pessoa, a juíza federal aposentada Barbara Jones, para monitorar a empresa. /AP

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade